A viagem que mudou a minha vida Capitulo II – Mochilão pela Europa: De 1 mês em Milão a 3 em Londres

Por Carol Guido / carol@gwsmag.com

Recapitulando: No último post capítulo contei para vocês que em 2007 fui passar um mês em Milão, que de uma hora para outra decidi esticar a viagem para estudar em Londres e que eu não tinha um puto para fazer isso.

Agora vou continuar esta série, contando como a ida para Londres me mostrou que sou muito mais corajosa do que sempre imaginei e vou começar a fazer juz ao título deste livro: A Viagem que mudou a minha vida.

Ready?

Depois de ver os valores dos cursos, não mais em euros, agora em libras (ouch), fiquei me sentindo muito culpada de pedir o que realmente precisava para os meus pais.

Seriam três meses de curso em Londres, com aulas todas as tardes, de segunda a sexta. Eu precisaria de grana para o básico: aluguel de um quarto, passagens de metrô e alimentação (só cozinhando em casa). Sem compras, só com passeios gratuitos.

Pensei assim: vou pedir o dinheiro das aulas para os meus pais e tento me virar para me manter lá. Com o que eu ainda não tinha gastado do que levei do Brasil para o mochilão, dava para ficar um mês (morando no suburbio e fazendo muita economia). Para os dois restantes eu teria que arrumar bicos.

E aí fui eu mais uma vez falar com meus pais, via Skype, desta ideia maluca. Não contei os detalhes (sobre o quão apertado o orçamento era). Eu sabia que se falasse, eles me ajudariam, mas eu não podia pedir uma grana que sabia que ia fazer tanta diferença no orçamento. Ainda mais já estando lá, dando pouca brecha para eles recusarem. Eu precisava fazer isso por mim mesma. Se eu tive essa ideia dentro destas condições e achava totalmente possível, precisava colocar o meu próprio plano a prova.

Não me lembro muito bem como foram as conversas. Só sei que eles toparam. Pagamos o curso e da minha parte só faltavam as passagens e o lugar para ficar. Foi aí que tudo começou a degringolar.

Enquanto isso, os passeios por Milão…

Próxima parada: A preparação da viagem para Londres

Abril

O namoro mais fofo do mundo virou um inferno. A gente não conseguia se entender, vivíamos brigando e ele decidiu que não ia poder ir pra Londres comigo naquele momento.

E assim, quase de um dia para o outro, percebi que estaria indo para o Reino Unido sozinha em poucas semanas, sem dinheiro, sem ninguém.

Segura essa.

Mas mesmo do outro lado do oceano, eu sabia que poderia contar com a minha família e amigos se algo apertasse. Então fui em frente e comecei a busca de um lugar barato para morar.

Nos sites tipo classificados eu não encontrava nada no preço ou encontrava, mas não tinha nenhuma referência positiva. Até que o namorado-mais-prá-lá-do-que-prá-cá fala:

– Carol, toma aqui este telefone de um amigo que fiz num festival de música eletrônica. Ele mora em Londres e aluga uns quartos para brasileiros. O nome dele é Léo.

(sei lá, não lembro o nome do cara, to inventando para facilitar)

Aí fui ligar pro tal do Léo.

– Oi Léo, aqui é a Carol, sou namorada do fulano, que mora em Milão, vocês se conheceram ano passado no XXXIsrael (inventei este também, óbvio). Tudo bem?

– Oi Carol! Tudo! E aí, o que você manda?

– Então cara, tô indo pra Londres daqui a 15 dias e tô procurando um quarto pra alugar em torno de 100 pounds por semana. Você tem?

– Pô Carol, eu não alugo mais quartos. Mas conheço um outro brasileiro que aluga. Ele de repente te ajuda. O nome dele é Márcio (inventei), anotaí o telefone.

OK. Liguei pro Márcio.

– Oi Márcio, meu nome é Carol, peguei seu telefone com o Léo, ele é amigo do meu namorado, tudo bem?

– Oi Carol. Tudo! Que Léo?

– Ah, ele alugava uns quartos pra brasileiros, mas me falou que não aluga mais, aí me deu os seus contatos.

– AHHHHH sim. Claro! Falaí.

– Então cara, tô indo pra Londres daqui a 15 dias e tô procurando um quarto pra alugar em torno de 100 pounds por semana. Você tem?

– Pô, no momento eu tô sem nenhum, mas posso ver pra você. Me liga daqui a uma semana que eu te falo se consegui e tal.

– AH tá bom, beleza. Obrigada. Beijo!

– Beijos!


Depois de uma semana

– Oi Márcio, aqui é a Carol, conhecida do Léo, tudo bem?

– Leó? Ah! Oi Carol. Pô cara, ainda não consegui seu quarto. Pode me ligar daqui uns 5 dias?

– Sabe o que é Márcio, tô com a passagem comprada pra daqui a 7 dias, fico meio tensa. E não conheço mais ninguém que alugue por esse preço, será que você não consegue nada mesmo?

– Sei como são estas coisas, mas eu não tenho nenhum quarto agora. Mas fica tranquila, se a gente não conseguir nada pra você, você vem e fica na sala daqui de casa alguns dias até arrumar algo. Tem vários brasileiros que moram aqui comigo, você vai curtir. Me liga de novo em 5 dias, tá?

– Errrr. tá. Beijo, obrigada!

– Nada!


Dois dias antes da viagem

– Oi Márcio, é a Carol, conseguiu algo pra mim?

– Cara, não tem nada por enquanto. Estou vendo com outro brasileiro, mas ele ainda não me deu a resposta. Mas faz assim: vem e me liga do aeroporto. Te dou as coordenadas de como chegar aqui. Aí te pego na estação do metrô e você vem aqui pra casa. Fica na sala por uns dias. É tranquilo.

– Errr… OK. Cara, só tenho você aí. Vou totalmente aleatória. Não vai me deixar na mão.

– Fica tranquila! Todo mundo que vem pra Londres passa por isso. Eu vou fazer por você o que fizeram por mim quando eu vim. Vem e me liga. Estou te esperando.

– Beleza. Você pode me dar o endereço da casa que você mora ou de algum amigo seu, só pra eu poder passar para a imigração?

– Pois é Carol, até te dou para você ter como segurança, mas você não pode passar para a imigração. Sabe, é um assunto tenso, tem vários brasileiros que estão em Londres ilegalmente. Não podemos correr o risco.

– Errr… Entendo. Tá bom, obrigada. Até depois de amanhã.

– Até!

Eu fui sem o endereço que ia ficar. Eu não conhecia o cara, não tinha dinheiro, estava brigada com o namorado e apavorada.

Não me perguntem como eu posso ter feito uma loucura destas. Nem eu sei. Sabe aquelas situações que a gente vê acontecendo nas novelas e fala: “Ninguém faz isso! Novela é uma porcaria mesmo”. Então. Eu sou a prova viva de que as pessoas fazem loucuras sim.

Acho que estava tão empenhada em testar meus limites, seguir em frente com o máximo de independência que já tinha tido na vida, que fui. Mas eu não fui tão boba. Sabia que a imigração ia me barrar nestas condições (sem lugar, sem dinheiro, sendo brasileira, jovem e mulher). Então eu bolei um plano.

Mas só vou contar no próximo capítulo… Até quarta que vem!

– Capítulo 1

– Capítulo 3

– Capítulo 4

– Capítulo 5


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.girlswithstyle.com.br/viagem-mudou-minha-vida-mochilao-europa-capitulo-ii/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags:

Mundos Mágicos: Dicas de livros pra quem gosta de mundos paralelos!

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Post enviado por Isa Freire

 

Fazia tempo que eu não lia um livro de fantasia e mundos imaginários que quase sempre são destinados mais às crianças do que aos adultos, mas no final das contas, são tão bons e às vezes até melhores que os livros de gente grande. Essa semana comecei a ler A História Sem Fim do Michael Ende, o livro que deu origem àquele filme que passava semanalmente na Sessão da Tarde com aquele menino loirinho que viajava pelo reino Fantasia em cima de um cachorrão voador (que na verdade é um Dragão da Sorte). Tô sentindo que o livro é muito bom… ainda tô nas primeiras 100 páginas mas to curtindo bastante. Falo mais dele quando terminar de ler.

Mas aproveitando o embalo, vou dar a dica de uma trilogia incrível que conheci pelo meu pai há uns 10 anos atrás. A coleção chama-se Fronteiras do Universo, foi escrita pelo inglês Philip Pullman e é composta, como eu disse, por 3 livros: A Bússola Dourada (que já teve filme, estrelado pela Dakota Blue Richards, a Franky das duas últimas temporadas de Skins), A Faca Sutil e A Luneta Âmbar. A trilogia conta a história da descoberta que uma menina, Lyra, faz sobre a existência de mundos paralelos. Ela, já não vive no mesmo mundo que nós, apesar de ser um bem semelhante ao nosso. A diferença mais interessante no mundo em que ela vive, é que cada pessoa tem uma “alma” em forma de um bicho de estimação e os bichos variam de acordo com a personalidade da pessoa. No livro, esses bichos de estimação são chamados de Daemons. Mais tarde, Lyra encontra um menino que passa a ser seu companheiro de aventuras. O livro passeia por diversos mundos diferentes, inclusive o mundo que corresponderia ao Inferno. Em cada mundo desses, vive uma espécie diferente. Lembro que um deles era meio Avatar, com seres super conectados à natureza e inclusive, azuis, mas quem sou eu pra acusar Steven Spielberg de plágio, né? Risos.

Recomendo essa trilogia pra quem gostou de Harry Potter, O Guia Do Mochileiro das Galáxias e pra quem assim, como eu, tem fascinação por mundos paralelos (aliás, já escrevi um “conto” demonstrando como seriam 5 outras “eus” em 5 mundo paralelos, depois mostro pra vocês). Sair um pouco da realidade é ótimo, a gente consegue isso lendo qualquer livro de ficção mas sair MUITO da realidade é melhor ainda. Quando nada no livro existe de verdade é que a gente acaba entrando de corpo e alma mesmo, pode imaginar cada mínimo detalhe do nosso jeito, inventar a cara de cada personagem e passa meses vivendo duas vidas, a real e a daquele mundinho do livro, que ironicamente, vamos querer que em alguma época, em algum lugar, exista de verdade.

assinatura-Isa

 

 

 


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.girlswithstyle.com.br/mundos-magicos-dicas-de-livros-pra-quem-gosta-de-mundos-paralelos/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
1 Comentários

Tags:

Estilo: Hayley Williams

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

O ano de 2013 começou bem para os fãs de Paramore! A banda que não lançava nada novo desde  Brand New Eyes em 2009 , já anunciou que o novo álbum chamado Paramore sai em 9 de Abril. Desde então as novidades envolvendo a banda e Hayley Williams não param.

Uma das mais legais é a parceria entre Hayley e a M.A.C. Uma linha de produtos (laranja, obviamente) com esmalte, batom, sombra e pó facial que será lançada com exclusividade no site da M.A.C. no mesmo dia do lançamento do álbum, dia 9 de abril (marketeiros!)

Outra novidade é a turnê! A banda já anunciou que vem ao Brasil em julho e agosto: dia 25 no Rio, 26 em Belo Horizonte, 28 em Brasilia, 30 e 31 em São Paulo, 02 em Curitiba e 04 em Porto Alegre.

Devo admitir que nunca fui muito fã do estilo de Hayley Williams mas que de uns tempos pra cá ela tem me surpreendido positivamente. Hayley está maravilhosa na capa da revista NYLON americana de abril de 2013 assim como em todo o editorial do recheio chamado de “Orange Crush”.

A garota tem mostrado que é possível manter o estilo punk com pitadas de glamour. E esse novo cabelo? Amando muuuito essa franja curtinha e esse tom de laranja! #divando. Hayley abusa de t-shirts e de calças jeans diferentes: estampadas, como uma perna diferente e da outra e coloridas. Nos pés ela é fã do bom e velho converse, dr.martens e creepers. E de uns tempos pra cá, tem investido bastante em vestidos.

Eu sempre tive muita curiosidade com as tatuagens dela e fui pesquisar os significados. Se liguem:

Mão e envelope: Hayley fez essa tatuagem na coxa em fevereiro de 2013 durante a turnê na Austrália.  A tatuagem simboliza “a comunicação a distância” com parentes e amigos que ficam pra trás durante as longas turnês. Achei fofo!

Letras TCB e um raio: Essa tatuagem fica na altura do cotovelo. As letras “TCB” significam “Takin’ Care of Business.” (alguma coisa como “cuidando dos negócios”) e era o nome da banda que acompanha o Elvis Presley nas turnês. Elvis costumava usar um colar exatamente como a tatuagem de Hayley, com as letras TCB e um raio.

Frase no antebraço: A frase no antebraço de Hayley “Accentuate the positive / Eliminate the negative.” (“Acentue o positivo, elimine o negativo.”) é uma frase da música “Ac-Cent-Tchu-Ate the Positive” escrita por Johnny Mercer em 1944!

Flores na lateral da barriga: As flores representam Hayley e suas duas irmãs. Na época em que fez a tatuagem Hayley disse: “Representa eu e minhas irmãs. Únicas mas crescendo juntas.”

Logo no pulso: Os três membros do Paramore fizeram as tatuagens com o logo da banda em agosto de 2011 para representar a sua unidade como uma banda. Hayley e Jeremy têm em seus pulsos, enquanto Taylor é um pouco mais acima do braço.

Coração no pulso: Em dezembro de 2010, Hayley Williams e sua melhor amiga, Dakotah Rae fizeram tatuagens iguais em seus pulsos.

Cruz na coxa direita: Criada na religião cristã, Hayley diz que é uma grande parte de sua vida. “Minha fé é a única coisa que nunca falha comigo”. Disse Hayley em 2010 sobre a tatuagem.

Warped tour tattoo: A tatuagem atrás da orelha esquerda é para comemorar os seus tempos de Warped Tour, que aconteceram em 2005, 2006, 2007, 2008, e 2011. E Hayley fez a tatuagem em 2009 para marcar um dos momentos da turnê.

Shave me: Hayley tem uma tatuagem de uma navalha-de-rosa que diz “Shave Me” (me depile!), porque ela raramente se depila em turnê. Ela disse a Spin, na “Warped Tour”, há alguns anos, que se estivesse de short, alguém até o final do dia sempre dizia para ela depilar. “Então escrevi “shave me” no meu tornozelo. Era como dizer: “Tenho tatuado para que vocês não tenham que falar mais isso”.

Coração remendado no tornozelo: Ela nunca falou muito sobre essa tatuagem, mas o tatuador disse que as letras HHT significam  hurtin’ hearts tour. (algo como “a turnê dos corações quebrados”).

Roubando o estilo de Hayley Williams:

1) Tinta Manic Panic cor Wildfire Dark Front R$50,00 

2) T-shirt ASOS £60.00 

3) Calça skinny sarja Renner R$99,90 

4) Pulseira Cores Mini Tachas Loja GWS R$9,00 

5) Bota coturno Renner R$229,00

6) Mix Spike Praia kit com três Loja GWS R$8,00

E vocês? Curtem o estilo de Hayley Williams?


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.girlswithstyle.com.br/estilo-hayley-williams/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags:

A viagem que mudou a minha vida Capítulo I – Mochilão pela Europa: Como tudo começou

Por Carol Guido / carol@gwsmag.com

Já faz mais de 5 anos que fiz a viagem que mudou a minha vida e volta e meia me pego pensando porque ainda não contei sobre este mochilão aqui.

Aproveitando que estou desenferrujando meus posts aqui no GWS, vou contar todas as surpresas e emoções que vivi passando por Milão, Amsterdam, Londres, Lisboa, Porto, Santiago de Compostela, Barcelona e Paris. Ao todo passei 5 meses pela Europa e quando conto que fui para ficar apenas um, parece até mentira.

Como a história é longa, nós (as meninas deram pitaco antes de publicar este post) chegamos a conclusão que daria um livro (hehehe). Por isso, dividi em capítulos. Quem ler não vai se arrepender. Garanto.

“No espisódio de hoje” vocês vão entender porque fui parar em Milão sem ter nem planejado muito e como saí de lá para passar 3 meses em Londres sem um puto no bolso (e os outros destinos vão se encaixando ao longo da história). Vamo lá?

Como tudo começou

Janeiro 2007

Eu estava na minha vida pacata no Brasil, com 20 anos e prestes a começar mais um semestre na faculdade de Jornalismo quando um amigão que morava em Milão veio passar as férias aqui no Rio.

Ele veio, ficou mais ou menos um mês e faltando, sei lá, uma semana para ir embora, a gente resolveu achar que estávamos apaixonados um pelo outro. Totalmente insanos e sem nada na cabeça, resolvemos começar a namorar 3 dias antes de ele ir. E eis que ele volta para Milão com a promessa de que em pouco tempo viria de novo para o Brasil ou eu iria para lá. A gente não sabia como (nenhum dos dois tinha grana, nem emprego), mas o amor salvaria tudo.

OK.

Um mês depois, fiz 21 anos e com o aniversário veio uma proposta da minha mãe:

– Filha, abro mão das minhas férias deste ano para te dar esta ida para Milão.

(minha cara: WHAAAATTT? Me belisca!) E ela continuou:

– Não é todo dia que a gente tem a oportunidade de conhecer a Europa com a facilidade de um lugar seguro pra ficar, com pessoas que a gente conhece. Você pode ir, façam a programação de um roteiro que seja mais em conta, aproveita seu fim de férias para conhecer alguns lugares. Isso vai ser importante pra você, pra sua vida mesmo.

Devo incluir um parêntese aqui: Eu tenho uma mãe incrível e muito visionária.

Respondi na maior calma:

– Sério, mãe? Você vem planejando tanto a suas férias, tem certeza?

– Claro, filha. Com tanta coisa acontecendo no trabalho acho que não é o momento certo de sair para passar 30 dias fora, então…

Obviamente eu topei na hora. E lá fomos nós duas fazer uma reunião com o meu pai para procurar apoio e maior patrocínio.

Devo incluir um parêntese aqui: Nenhum pai, nunca na vida, vai achar maneiro ver sua filhota atravessar o oceano por um cara que ela namora há um mês, a distância e que ele ainda por cima nem conhece.

Por aí vocês já devem imaginar como foi a reunião, né? Guerra!

Mas preciso resumir aqui para falar mais quando vale a pena. E no fim, ele falou:

– Não concordo. Acho impensável, absurdo e totalmente contra tudo que eu já imaginei para você. Mas se não tenho como impedir e isso vai de fato acontecer, vou ajudar pagando a passagem.

(como não amar?)

E assim foi. Renovei meu passaporte, comprei passagens, peguei minhas economias, o dinheiro que minha mãe me deu e em pouco tempo eu estava pronta para embarcar.

Próxima parada: Imigração Européia

Março

A viagem para Milão foi em uma época tensa, em que os brasileiros estam com problemas sérios para passar pela imigração em Madri. Por sorte (ou sabedoria da minha mãe), eu viajei com a segurança de ter um namorado com dupla cidadania. O que isso significa? Uma cartinha que um cidadão do país faz explicando para as autoridades que ele está convidado aquela pessoa (no caso, eu) para uma visita.

Por isso, depois de 11h de vôo, fiz a imigração mais tranquila da minha vida em Madri. Como eu estava preparada para o pior, depois que passei dali, relaxei. Peguei a conexão para Milão e em 2h eu estaria feliz e contente no meu destino final.

Depois de pegar a mala na esteira e já estar me encaminhando para o portão que te separa do mundo dos viajantes exaustos do resto do mundo, um policial (fiscal, sei lá) italiano me para. E eu não entendia bolhufas do que ele falava. Só respondia:

– Estoy indo ver enamorado!

(Língua esta mais conhecida como portunhol, amplamente difundinda no Brasil e Argentina, porém sem nenhuma valia na Itália).

WTF, Carolina?

E o cara começou a ficar nervoso, falava gesticulando e aí tive o estalo de pegar a cartinha mágica. Quando já estava tirando da bolsa, ele meio impaciente já querendo me levar pra uma salinha de polícia, chega outro companheiro dele, começa a falar algo que parecia ser uma situação mais importante do que a minha.

O policial (ou fiscal, whatever) virou pra mim e disse apontado para a porta de saída:

– Andare! Andare!

Isso eu consegui entender muito bem. O famoso “vaza daqui” é igual independente da lingua que está sendo falado. Para bom entendedor, meia palavra basta.

Pronto. Cheguei em Milão e foi só alegria.

Milão

1- melhor sorvete do mundo / 2- Catedral Duomo

Próxima parada: Milão (Verona e Amsterdam também!)

Por lá conheci alguns pontos turísiticos da cidade: A Piazza Del Duomo, a Cathedral Dumo, Galeria Vittorio Emanuele II, entre outros. Comi os melhores sorvetes da vida. Me empolguei para aprender italiano (apesar de não ter conseguido), fui em várias lojas legais, descobri a H&M (nunca tinha ouvido falar) e etc. Uma das coisas que mais me encantou foi o fato de os ônibus terem hora para passar e como realmente funcionava. Depois descobri que é assim na maior parte da Europa, coisa que eu não estava acostumada. Uma das coisas mais maravilhosas que um governo pode fazer pelos seus cidadãos é um sistema de transporte público digno.

Verona

Entrada da casa de Julieta!

Além dos passeios pela cidade, fomos para Verona, a cidade de Romeu e Julieta, que fica a mais ou menos 1h30 de Milão. A cidade é uma coisa fofa, você faz o passeio de trem e é bem confortável.

Também tiramos 5 dias para ir para Amsterdam. Acho que este é um dos meus lugares favoritos no mundo. Impressionante como tem casas fofas, misturadas com prédios super modernos, referências de bicilcetas e tulipas, misturadas com suveniers das mais variadas formas relacionadas a sexo (deixe sua imaginação tomar conta haha) e o que eu mais gostei, um alto nível de respeito entre as pessoas e suas diferenças. Encantador mesmo.

Amsterdam

Pelas ruas

Estacionamento de bicicletas

Pena que quando fui estava tão frio que não dei conta de passear muito.

Mas voltando ao ponto: Os primeiros dias do mochilão foram ótimos. Tão bons que começamos a bolar planos para eu ficar mais tempo na Europa. E assim, conversa vai, conversa vem, pensamos que ir para Londres poderia ser uma boa opção.

Ele não sabia falar inglês e precisava muito aprender. Eu acabei fazendo Cultura Inglesa a vida toda, mas não tinha me formado ainda. Por isso, fazer uma prova de Cambridge para pegar o certificado de proeficiência em inglês me livraria de mais uns 3 anos fazendo o curso.

O problema é que a prova não é nada fácil, então eu precisava de um curso preparatório. O que significava isso? Mais grana para cobrir os custos da viagem, uma grandíssima cara de pau para pedir parte dela para os meus pais e muita coragem para me virar e conseguir o resto sozinha.

Mas como tudo isso rolou, só vou contar no próximo capítulo. Até semana que vem, girls!

Capítulo 2

Capítulo 3

Capítulo 4

Capítulo 5


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.girlswithstyle.com.br/viagem-mudou-minha-vida-mochilao-europa/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags: