Estive pensando sobre: A importância do autoconhecimento

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

 

autoconhecimento

Ilustração: Isabela Gabriel especialmente para esse post

Eu sempre falo aqui no GWS sobre minha jornada de autoestima, amor próprio e empoderamento. Mas percebi que nunca falei sobre uma “chavinha” fundamental para conquistar isso tudo. Ontem de noite, pensando sobre o intrigante comportamento humano, uma coisa foi me levando a outra e eu percebi (mais uma vez) como o autoconhecimento é fundamental para nós sermos pessoas melhores com nós mesmas e com os outros. Sermos mais gentis com nós mesmas em frente ao espelho e com as outras pessoas, nas ruas, na vida e principalmente, quando podemos nos esconder anonimamente na internet.

“Hater”, palavra usar para definir alguém que “odeia” uma pessoa e está sempre lá, disposta a criticar, humilhar e ser grosseira com a pessoa que ela não gosta, nunca se assume hater. Essa pessoa sempre se considera um crítico, uma pessoa que quer colocar você no seu lugar (no lugar que ela acha que vc deveria estar), uma pessoa que vê o que ninguém mais vê, uma pessoa que está somente “dando a sua opinião” (vixi coisa clássica de gente covarde, né?).

Desculpa te decepcionar hater. Você não é especial. Você é só uma pessoa como todas as outras do mundo, que gostam de umas pessoas e não gostam de outras. E sabe qual é a boa? Tá tudo bem! Ninguém nesse mundo inteiro agrada a todos. Você, nem eu, nem ninguém jamais será amado, admirado ou considerado bonito, inteligente ou legal por todo mundo. E que bom! Como já diz aquele velho ditado cafona e piegas: O que seria do verde se todos gostassem do azul? E não é? Então eu tô de boa se você não gosta de mim. Eu não gosto de um monte de gente! A diferença entre eu e um hater, é que eu sei que eu não gostar de alguém não é problema da pessoa que eu não gosto. É uma questão minha e só minha. Porque eu teria a necessidade de mostrar para a outra pessoa, de falar para a outra pessoa que eu não gosto dela? De tentar a todo custo me fazer presente com a minha “raiva”? Não perco meu tempo com quem eu não gosto. Eu não perco meu tempo vendo coisas ou pessoas que eu não admiro, que não enriquecem meu dia, minhas idéias, minha vida. O que dirá, criar perfil falso SOMENTE pra tentar colocar a pessoa que você não gosta pra baixo? Diquinha boa aqui: Isso é caso pra psicólogo! Não perca seu tempo e marque logo a sua consulta. Porque seria muito bom pra você ter autoconhecendo e descobrir a origem desse terrível hábito de tentar fazer com que pessoas se sintam mal com elas mesmas. Como você se sente em relação a você?

Mas o post de hoje não é sobre a mente bem louquinha dos haters, mas foi isso que me fez pensar sobre a importância do autoconhecimento. Sempre quando eu penso como desenvolvi minha autoestima e passei a me amar mais e me achar bonita percebo que isso só foi possível quando eu passei a me conhecer mais. Me entender mais. Entender meus traços, o desenho do meu corpo, minha mente, meus desejos, a origem das minhas inseguranças, minhas limitações e como eu não estava usando todo o meu potencial.

A real é que ao longo da vida, desde muito, muito novos, nós somos ensinados a ouvir e obedecer os outros. Seus pais, seus avós, professores, os mais velhos, a sua chefe, o mais forte, o especialista…

Depois, gostamos de usar a roupa que o namorado gosta, evitar a que ele não curte, daí tem as roupas da moda, que todas as meninas do colégio usam e é claro, tem que ter aquele objeto de desejo que todo mundo tem.

E assim crescemos sem perceber que vivemos sempre precisando da aprovação, da benção e da permissão do outro. Veja bem, não me entenda errado. Disciplina é algo fundamental para o desenvolvimento das pessoas, mas tanta gente, ao longo da vida dando “palpite” nas nossas escolhas, faz com que a gente se afaste do que somos e queremos de verdade.

E quanto mais você se afasta do seu eu de verdade, menos chances você tem de encontrar o autoconhecimento, o amor próprio, a sua autoestima e a sua felicidade.

Tenho uma teoria todo hater não tem autoestima e pouquíssimo autoconhecimento. Sabe por que? Porque ele acha que te ofender anonimamente, te apontar defeitos ou zoar da sua cara vai mexer com a sua cabeça. Vai te deixar mal, insegura, triste. Por que ele acha isso? Bingo, meu bem! É exatamente como ele se sente quando escuta algo assim sobre ele, ou ele mesmo pensa sobre ele mesmo.

Envelhecer é uma merda. É bizarro ver a pele mudando, seu rosto amadurecendo, olhar pra um grupo de jovens e ver que você não se encaixa mais ali. Mas ficar mais velha, me trouxe um autoconhecimento bizarro. E uma segurança de ser eu, de me mostrar para o mundo do jeitinho que sou e estar 100% ok com isso. Tudo que está na internet sobre mim, meus caros, eu escolhi mostrar pra vocês. Esse texto, minhas fotos no Instagram, meus tweets, meus snaps. E eu tô muito de boa, satisfeita e feliz com isso.

A notícia ruim pro hater é que ele chegou atrasado! Eu já fui absurdamente insegura em relação a ser eu mesma. Sobre meu corpo, meu rosto, meus textos (sim, eu escrevia e não publicava), só que eu ainda estava na casa dos 20, com a pele bem mais firme e com manequim 38. Vai entender, hoje com 30, pele já à base dos anti-idade, vestindo 46, sou muito, muito, muito mais segura e feliz e eu só acho graça (e pena) de quem tenta diminuir qualquer pessoa no mundo pelo que ela é ou pelo que os outros acham dela.

Eu sei, pelo trabalho de autoconhecimento que fiz comigo que nada disso realmente me atinge. Mas infelizmente, eu sei que isso não é uma realidade para milhões de garotas pelo mundo. E esse meu post é pra você. Que é vítima de bullying, de ódio gratuito, de pessoas que tentam te colocar pra baixo. Olhe pra dentro. Se conheça, saiba seu valor, busque o autoconhecimento. Sou a prova viva que funciona.

Nada é mais cruel e maldoso do que tentar fazer uma pessoa odiar ela mesma. Sentir vergonha dela mesma. Saiba você hater que seu “”trabalho”” causa depressão, isolamento social, danos psicológicos irreversíveis em algumas pessoas. Então se a meta da sua vida é ser uma pessoa ruim, parabéns! Você tá vencendo. Mas ainda dá tempo. Sempre dá tempo de ser uma pessoa melhor. Busque você também o autoconhecimento.

Nada no mundo é melhor do que estar em paz com você mesma, nada melhor do que conhecer cada vez mais, cada pedacinho do seu corpo, da sua mente, da sua alma. Construindo, a gente chega lá. E como já disse um velho sábio chamado Noel Gallagher: “Nós precisamos ser nós mesmos, nós não podemos ser mais ninguém”. E isso, minhas amigas, é a mais pura verdade. Não tenha medo ou vergonha de ser você e tudo que você quer ser.

— ♥ —

assinatura_2016_nuta-vasconcellos1


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/estive-pensando-sobre-a-importancia-do-autoconhecimento/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 400 Bad Request in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
5 Comentários

Tags:

Três marcas de cosmético veganas, naturais e nacionais feitas por garotas para você conhecer

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

tumblr_o44lprhAC41unnnneo1_1280

Ilustração da mega talentosa Henn Kim

Acho que todo mundo aqui já está cansada de saber sobre a minha paixão por cosméticos! Amo mais ainda quando tem uma vibe natural e no clima #doityourself. Adoro pesquisar marcas novas, feitas por garotas e com produtos incríveis. E o post de hoje é sobre isso: Três  marcas de cosméticos veganas, naturais, nacionais e feitas por minas! Lembre-se que quando compramos produtos com essas características nós não estamos só comprando cosméticos. Estamos ajudando o comércio local, poupando animais de testes e ajudando o trabalho de mulheres que querem ser independentes. Só vantagem! Vem ver:

Donaflô – cosmética natural e vegana

gws-produtos-naturais-donaflo

Produtos de beleza e higiene artesanais, naturais e com opções veganas! Tudo feito à mão, com o maior carinho e livre de crueldade animal. Todos os produtos da Donaflô, são feitos com materiais naturais, de maioria orgânica e de altíssima qualidade. As fórmulas são testadas por farmacêuticos, o que garante um produto seguro e bom para você, seu corpo e o meio ambiente.

A marca tem opções infinitas de produtos: Sabonetes, óleos, desodorantes, bálsamo labial, hidratante, shampoo… Enfim, muita coisa!

Facebook: Donaflô – cosmética natural e vegana

Instagram: @donaflo.artesanato

— ♥ —

Fefa Pimenta

gws-produtos-naturais-fefa-pimenta

Fernanda Mallmann, a Fefa é graduanda em farmácia, aromatóloga, terapeuta natural e artesã de cosméticos naturais. Com todo esse conhecimento acumulado ela focou em produtos que são 100% naturais e elaborados com matérias primas selecionadas. As embalagens pretendem diminuir ao máximo o impacto ambiental, por isso utilizam materiais recicláveis, biodegradáveis e o mínimo de plástico e os produtos são em sua maioria, em barra. Você encontra shampoo sólidos, sabonetes e até tratamentos específicos para caspa, dermatite e pele sensível.

As embalagens são uma graça, as barras grandes e duram bastante. Os produtos da Fefa podem ser comprados online e entregues pelos correios, mas se você é do Rio de Janeiro, pode retirar pessoalmente no centro da cidade ou receber em casa, pessoalmente de uma forma muito fofa elaborada pela marca, chamada  Rota Malagueta. Vale demais conhecer!

Site: Fefa Pimenta 

Facebook: Fefa Pimenta Natural e Artesanal 

— ♥ —

DUNA

gws-produtos-naturais-duna

Os produtos da DUNA são 100% naturais. Não contém parabenos, conservantes ou essências artificiais. A marca leva a sério o fato de que tudo que colocamos na nossa pele é absorvido pelo corpo, por isso buscam ingredientes que além de te cuidarem por fora, te nutrem por dentro.

O que acho lindo na DUNA é que eles não vendem só cosméticos, mas toda a idéia de amar estar na nossa pele e aceitar e celebrar nosso corpos e assim como o GWS, acreditam que beleza mesmo é ser e se sentir livre, de todas as formas e em qualquer sentido. Além de produtos incríveis e uma filosofia linda, a estética da marca é incrível. Por favor, olhem essas embalagens!

Site: DUNA

Instagram: @dunabelezalivre

Facebook: DUNA

Curtiram as dicas? Conhecem outras marcas de cosméticos veganas, naturais e locais? Compartilha com a gente nos comentários!

— ♥ —

assinatura_2016_nuta-vasconcellos1


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/tres-marcas-de-cosmetico-veganas-naturais-e-nacionais-feitas-por-garotas-para-voce-conhecer/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 400 Bad Request in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
6 Comentários

Tags:

Por Favor Cuide Da Mamãe – Opiniões do Clube do Livro GWS

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Por Laíza Felix: 

Como sua mãe estava quando você a viu pela última vez? Se não mora mais com ela, talvez você conserve essa lembrança com mais cuidado. Mas se você se despediu dela antes de sair de casa hoje, talvez não se recorde nem da roupa que ela vestia. Embora a gente afirme com muita certeza que amamos nossas mães, dificilmente conseguimos olhar pra elas como seres individualizados, que tinham uma vida antes de nascermos e que, mesmo depois da nossa chegada, conservam sonhos, vontades, desejos. Estamos tão acostumadas a viver sob seus cuidados que chega a ser chocante quando a curva da vida nos obriga a trocar de lugar: a cuidar no lugar de receber cuidados.

É esse momento que “Por favor, cuide da Mamãe”, da sul-coreana Kyung-sook Shin, retrata ao contar a história do desaparecimento de uma mãe e como cada membro da família se comporta diante dessa tragédia. Em todos, algo em comum: pouco sabiam sobre a própria mãe. A culpa e o remorso machucam mais que a ausência da mulher dedicada e completamente entregue a sua missão de criar os filhos com poucos recursos e um marido distante. As lembranças de como ela era e as coisas que fazia trazem à tona a triste realidade de que ninguém olhava para mamãe como uma pessoa.

À medida que a velhice chegava, a saúde da mãe se deteriorava e a paciência da família diminuía. Por isso, fiquei com a sensação de que, antes de desaparecer fisicamente, a mãe já estava invisibilizada pela família, que só percebeu isso depois que os meses passaram sem sinais de que ela poderia ser encontrada. Não quero falar de como o livro acaba pois, apesar de triste e intenso, é uma história muito bonita e tocante. Lá no grupo, rolou muita emoção e identificação com a história. Confira algumas opiniões!

gws-clube-do-livro-maio

Margareth Andrade: Nossa. Que felicidade ver esse livro na lista. Eu comprei e já li ano retrasado num momento crucial e que estava dando uma guinada na minha vida. Foi muito marcante pra mim. É um livro bem sensível e em vários momentos reconheci aspectos da minha família, do meu comportamento e dos meus pais e irmãos. Recomendo fortemente. Vou aproveitar e reler pra ver quais percepções tenho agora que minha vida já está mais nos trilhos. Se vocês forem emotivas como eu preparem a caixa de lenços.

Carolina Batista Ferreira: Deixei pra ler no último suspiro do mês, mas deu tempo e ainda bem que comecei a lê-lo. A história é cativante e perturbadora ao mesmo tempo, ao menos foi pra mim. Tenho muito conflitos com minha mãe e esse livro me revirou muito. Chorei várias vezes durante a leitura. Manas, pra mim parece as mulheres se anulam totalmente, perdem a identidade, ao serem mães. Quais os sonhos particulares da minha mãe ela abriu mão pra cuidar dos 3 filhos, bancar casa e marido aos vinte e poucos anos de idade? Penso o quanto ela e outras pessoas são inconsequentes ao ter filhos sem condições financeiras e emocionais pra dar estabilidade e sanidade ao ambiente. Minha arrogância pensar assim? Frieza demais da minha parte? Fico me questionando. Tão mais fácil ignorar minha mãe do que responder simplesmente, como a personagem fica recordando. Me vi muito nesse livro. E tenho eu ter mais paciência com a minha mãe, de verdade, objetivo de vida: ser uma pessoa descente com a minha mãe.

>> Participe do #ClubeDoLivroGWS <<<

— ♥ —

assinatura_2016_laiza-felix


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/por-favor-cuide-da-mamae-opinioes-do-clube-do-livro-gws/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 400 Bad Request in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags:

#MãeNuta: Tudo sobre incensos! Como usar e qual escolher de acordo com suas intenções

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

maenuta2

Ilustração: Isabela Gabriel especialmente para a coluna #MãeNuta

O incenso é uma ferramenta usada desde os povo antigos, como os egípicios, árabes, orientais, indianos, entre outros para atrair bons fluídos, invocar a presença dos deuses e em rituais religiosos. Muito cristãos e evangélicos se perguntam se “acender incenso é pecado”, mas gente, tá na bíblia que baby Jesus ganhou incenso de presente no dia que nasceu. A pagã aqui tá sabendo mais que vocês, hein?

Tudo o que nos rodeia é energia, e a mesma, pode ter diferentes níveis de vibração. Em geral, dizemos que existem energias boas e energias ruins, que podem se manifestar de diferentes maneiras e podemos senti-las em diferentes intensidades. Dizemos que quando existe uma acumulação de energias negativas, a vibração que nos rodeia fica tensa e pode nos afetar diretamente. Ao queimar um incenso, o estado emocional e a vibração do ambiente também se transformam. E mudando a energia do lugar, eles podem te ajudar a equilibrar as suas próprias energias. Por exemplo, se você está brigada com seu namorado e quer melhorar o ambiente para fazer as pazes, o incenso de camomila tem efeito para acalmar o ambiente e depois, para uma noite romântica, que tal um incenso de sândalo? Os místicos, também acreditam que o incenso é agradável as energias do universo e que elevam as nossas orações ao mundo celestial. Em meditações, os incensos são utilizados para alcançar um estado de mais clareza, calma e foco.
Alguns aromas modificam nossa energia interna, agindo como estimulantes, tiram a gente de um estado de desânimo e cansaço; outros, facilitam o estudo ou despertam a inspiração; e muitos, contribuem para a meditação. Durante a queima, são liberadas substâncias provenientes do amálgama alquímico. Elas dissolvem os miasmas negativos e estimulam a sintonia com os outros planos mais sutis, imperceptíveis aos olhos.

Para liberarem essas energias, os incensos precisam ser queimados. Podem ter formato de de vareta, pirâmide, espirrais entre outros menos populares. São feitos de ervas, flores, frutas, cascas de árvore, óleos e carvão. Lembre-se sempre, que a melhor maneira de ascender um incenso é da forma mais natural possível. Ou seja, fósforo! Evite isqueiro e ascenda com a mão esquerda. Deixe-o exposto durante uma hora no seu ambiente doméstico ou de trabalho antes de acendê-lo. Antes de acender, mentalize e repita uma oração sua ou medite o que quer conquistar. O incenso deve ser aceso em local sereno, com tranquilidade e sem interferências no processo. Colocar um copo de água perto do incenso, potencializa seu poder. Depois da queima, as cinzas podem ser colocadas na palma da mão e assopradas ao vento.

Se você quer melhorar a energia de um ambiente, ande por todo o espaço com o incenso. Entre em cada dependência da casa, mentalizando seus desejos. Faça um percurso (se possível) por todas as dependências, num sentido anti-horário. Depois de realizada a limpeza, coloque um punhado de sal em cada um dos 4 cantos da casa e jogue em água corrente no dia seguinte.

Existe uma grande quantidade de incensos para mudar o ambiente de nossa casa, melhorar relações e eliminar as más energias. Esse post ficaria gigante! Então aqui vai um resumo das questões mais comuns:

Para atrair energias do amor: Escolha almíscar, amor-perfeito, ópium, sândalo, pachouli, absinto, cereja, morango ou dama da noite. Um detalhe muito importante: você não deve acender o incenso na presença do crush, namorado ou ficante! Faça isso antes da pessoa chegar.

Para abrir o campo do trabalho: Entrevista de emprego, melhorar a energia na busca por trabalho o mais legal é o aroma de lótus. E, se quiser uma força estimulante, ficar mais animada com o trabalho, acenda o eucalipto!

Para concentração nos estudos: Incenso de baunilha é a melhor escolha. Além de dar um cheiro muito delicioso à nossa casa, a baunilha está relacionada com a inteligência, com os pensamentos e com as habilidades da mente. É ideal para aqueles momentos que precisamos de concentração nos estudos ou inspiração para terminar um projeto.

Para limpeza de ambientes: Se o intuito é diminuir os desentendimentos e criar uma boa atmosfera dê preferência aos aromas de alecrim, alfazema e camomila. Já cravo-da-índia, benjoim, mirra e cipreste são indicados para afastar qualquer tipo de energia negativa em casa ou no seu local de trabalho. Mas se o objetivo é “limpar os ares” depois de uma visita indesejada, conte com a ajuda da arruda e cânfora.

Para autoestima: Lavanda é um incenso que promove a beleza, é bom para a atração e é recomendado para qualquer mudança com intenções de embelezar.

Se a sua questão não está nessa lista, encontrei essa aqui que fala das propriedades de cada incenso e é bem completa. Outra dica boa é o livro “A Utilização Ritual e Mágica dos Perfumes”, de Richard Alan Miller e Iona Miller. Tem pra vender aqui. E claro, se eu puder ajudar, deixem suas dúvidas nos comentários! Se você curtiu esse post, vai gostar dos outros na TAG #MãeNuta.

— ♥ —

assinatura_2016_nuta-vasconcellos1


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/maenuta-tudo-sobre-incensos-como-usar-e-qual-escolher-de-acordo-com-suas-intencoes/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 400 Bad Request in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
6 Comentários

Tags:

12