A história e a volta das Boy bands!

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

É difícil saber ao certo qual foi a primeira boy band da história. Eu, assim como muitas outras pessoas, acredito que os Beatles tiveram (e muita) influência no que viria a ser a estrutura de uma.

Mas considerar os Beatles uma boy band seria desconsiderar os mesmos como uma das primeiras bandas de rock da história. Deixando santificado o que é santificado, vamos voltar para nosso tema de hoje.

Boy band é um termo usado para classificar uma banda pop formada por garotos, de geralmente cinco integrantes (existem alguns casos de um pouco menos ou um pouco mais) aonde todos cantam e dançam. O marketing  é voltado para os jovens, a estética tem muita importância e as músicas são bem comerciais. Algumas bandas que tocam instrumentos ao longo da história foram consideradas boy bands, mas por não concordar com isso, vou ignorar esse fato.

Muita gente menospreza o talento e a importância desse tipo de banda na história da música, mas eu considero impossível ignorar uma fórmula tão popular há mais de 40 anos. Sim, sim. Mais de 40 anos. O formato como conhecemos (com algumas pequenas mudanças ao longo da história) foi criado pela gravadora Motown. A idéia era dar uma “polida” nos grupos de R&B e Soul para tornar o rítmo popular entre os brancos. Então misturaram o estilo com o doo wop (grupos vocais que estavam por todas as esquinas na América naquele tempo). Funcionou. E a primeira grande boy band da história nasceu em 1964, o Jackson 5 revelando ninguém menos que Michael Jackson.

Ali todos os ingredientes da primeira fórmula estava completo: Todos cantavam, dançavam, eram estilosos, bonitos e tinham carisma.

Nos anos 70 o estilo não morreu, mas poucas bandas se destacaram. Já nos anos 80, a fórmula finalmente voltou a mostrar seu poder para dominar o mundo e revelou bandas que viriam a ser grandes nomes do estilo.

A fórmula foi ficando mais e mais apurada e popular não só nos Estados Unidos mas na Europa, Ásia e América Latina.

Junto com os ingredientes da primeira fórmula, o ingrediente “secreto” que estaria presente em todas as futuras boy bands: Cada um tinha uma personalidade. Tinha o galã, o descolado, o tímido, o fofo, o “nerd”… Foi o início também do que conhecemos como “bandas fabricadas”, onde a formação de bandas não era orgânica e sim montada por algum empresário.

A latina Menudos (que revelou Ricky Martin) e a americana New Kids On The Block foram grandes nomes dos anos 80. E lançaram músicas clássicas como Não se reprima e Step by Step (certeza que mesmo se você não viveu na época conhece as músicas.)

Eu era muito nova quando os Menudos faziam sucesso, mas o New Kids On The Block eu “peguei” no começo dos anos 90. Mesmo muito criança (papo de 5 anos de idade) eu era super fã. Andava com o meu vinil na mão (“No More Games“) pra cima e pra baixo, dançava Step by Step (subindo e descendo a escada da minha casa, JURO) e suspirava pelo segundo amor da minha vida (o primeiro foi o Elvis): Jordan Knight. E foi ali que meu amor por boy bands começou. Pois é, não só de britpop vive a mente de Nuta.

Os anos 80 foram fundamentais para mostrar a força das boy bands, mas foi nos anos 90 que o estilo de fato se consagrou. Tivemos bandas como Take That, Boyzone, ‘N Sync (de Justin Timberlake), Westlife, 5ive e o fenômeno, Backstreet Boys.

Nos anos 90 o estilo também revelou e firmou vertentes. As Girls Bands (MUITO AMOR) que já tinham aparecido com força nos anos 80  firmaram território com nomes como Spice Girls e All Saints.

Surgiram as bandas mistas (com garotos e garotas) como os Steps e boy bands que “resgataram” as origens do estilo dos anos 60 saindo da vibe pop e assumindo um som R&B e gospel, como os grupos All-4-One e Boyz II Men.

Apesar de todo sucesso, nunca fui fã de Backstreet Boys. AMAVA Take That, Boyzone, ‘N Sync e 5ive. Aliás considero a inglesa Take That a melhor boy band dos anos 90. Foi a banda que revelou Robbie Willians e fizeram uma volta BRILHANTE em 2010 já como  Man Band (como são chamados grupos com anos de carreira ou que separação e retornam) com o álbum incrível Progress. E o melhor: Não embarangaram. São todos gatos até hoje.

Mas antes (?) que esse post fique gigante, vamos ao real motivo dele ter sido escrito. Com esse 90’s revival na moda e na cultura pop, É CLARO que as boy bands vão voltar com tudo. Aliás, já estão voltando e foi por causa de uma banda em especial que eu resolvi escrever esse post. O nome? One Direction.

A banda britânica surgiu em 2010 no programa X- Factor e seu single de estreia, “What Makes You Beautiful” de 2011 alcançou a primeira posição no UK Singles Chart e em 2012 a banda começou a ser presença forte nos Estados Unidos e no resto do mundo. O One Direction segue a cartilha boy band tim, tim por tim, tim. E eu mesmo sendo velha para essa coisa toda, digo: eles fazem bonito e são uma graça. Aliás aposto minhas fichas que eles serão uma das maiores boy bands da história. E junto com isso, a febre das bandas de garotos vai voltar com tudo, certeza.

Então, fica a dica: Escutem as boy bands clássicas e escutem One Direction. E se preparem para uma Boy Band fever.

Beijos, N.

Tags:


4 + 8 =


0 Comentários