Campanha #tambéméviolência contra a violência doméstica

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Amanhã, dia 27 de setembro, a ONG Artemis – organização comprometida com a promoção da autonomia feminina e prevenção e erradicação de todas as formas de violência contra as mulheres – lançará a campanha #tambéméviolência com o apoio da marca ativista LUSH, que globalmente incentiva organizações e campanhas de mobilização social pelos direitos humanos.

tambem-e-violencia-lush-artemis-2

O Brasil ocupa o 5º lugar no ranking de feminicídio entre 84 países, de acordo com um ranking da ONU Mulheres. 41% dos casos de violência doméstica acontecem dentro de casa e 57% iniciam-se após o término de um relacionamento. Além disso, 3 em cada 5 mulheres sofreram, sofrem ou sofrerão violência em um relacionamento afetivo no Brasil. Há diferentes tipos de violência que calam e aprisionam milhões de mulheres diariamente no Brasil: violência psicológica, moral, patrimonial, física e sexual. Ainda não existem maneiras efetivas de denunciar agressores por violências silenciosas, que nem sempre deixam marcas visíveis.

tambem-e-violencia-lush-artemis

A violência doméstica é “qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial” Lei Maria da Penha, artigo 5o. Contudo, nem sempre a vítima consegue sair de um ciclo de violência psicológica, moral e patrimonial, e as denúncias nos casos de abusos psicológicos, patrimoniais, chantagens e ameaças não são efetivadas, já que não há nenhum hematoma visível, como no caso das agressões físicas. De acordo com Raquel Marques, fundadora e presidente da ONG Artemis “no geral, nenhuma violência física ou sexual em um relacionamento afetivo acontece sem ser precedida por violências psicológicas ou morais, por isso é essencial para todas as mulheres entenderem que qualquer tipo de ofensa, ameaça ou abuso psicológico também é violência”. Além disso, ela completa “a violência patrimonial, no qual o agressor toma posse dos bens da vítima por ciúmes ou por controle, muitas vezes é velada como uma demonstração de amor. Precisamos falar sobre isso para não romantizar um comportamento violento. Em muitos casos, esse comportamento é o início de abusos que tendem a se agravar”.

Foi com base nesta realidade que nasceu a campanha #tambéméviolência, com o intuito de conscientizar a sociedade sobre este tema, apontar sinais de violências banalizadas em relacionamentos abusivos e oferecer medidas práticas para ajudar as mulheres vítimas de violência doméstica.

CONVITE BATE PAPO

Também amanhã, dia 27/09 às 12h acontece o ato pelo fim da violência doméstica no Tribunal de Justiça de São Paulo (saindo do metrô da Sé, ao lado esquerdo da Catedral) e, no mesmo dia, a partir das 19hrs, a LUSH Jardins (R. da Consolação, 3459) irá realizar uma mesa de discussões sobre violência doméstica. Ativistas da Artemis, promotoras de justiça do Ministério Público e advogadas especialistas na Lei Maria da Penha irão abordar por diferentes vertentes como identificar sinais de um relacionamento abusivos e como procurar/prestar ajuda às mulheres vítimas de violência doméstica.

Tags:


1 + 6 =


0 Comentários