Cinquenta vestidos que mudaram o mundo

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Sempre me perguntam por aqui, ou no meu formspring sobre livros de moda. Confesso que sou viciada no gênero e tenho uma queda pelos que retratam a moda e sua importância na história do mundo.

A Marie ganhou de amigo oculto, ano passado, o livro “Cinquenta vestidos que mudaram o mundo.” E na mesma hora roubei pra mim peguei emprestado. O livro é uma delícia de ler. Leve, com muitas fotos, direto e informativo. Um passeio pelas décadas e seus vestidos mais marcantes. A viagem tem início no século xx, em 1915 quando o costureiro espanhol Mariano Fortuny criou um inovador vestido plissado e segue até o vestido de LED Hussein Chalayan de 2007. No meio do caminho você encontra modelos clássicos de Chanel nos anos 20, o pretinho básico de Givenchy dos anos 60, o vestido de noiva da princesa Diana e outros clássicos que vocês vão adorar saber um pouco mais da história.

Separei alguns pra vocês ficarem com vontade de ler mais!

1947 – O New Look

“Das ruínas da Europa pós guerra mundial, o New Look veio como uma explosão de otimismo que ressuscitou a indústria da alta – costura parisiense e delineou uma estética para a década de renovação econômica e social que se seguiu.

Christian Dior foi o responsável por definir uma nova era de irreverência, versatilidade e esperança. Dior tinha originalmente batizado seus lançamentos de Corolle e Huit, mas a editoria chefe da Harper’s Bazaar da época, colocou na capa “It’s a new look”! Assim, rebatizando e criando um clássico.”

1965 – Minivestido

“A juventude londrina dos anos 60 estava mais do que pronta para algo novo, supermoderno, ousado. E foi exatamente isso que Mary Quant apresentou. Mary encurtou a barra da saia criando um estilo provocante, rebelde e revelador. Uma inocência lúdica que anunciava o despertar de uma nova era. O estilo se espalhou e esse look virou referência de independência, diversão e inovação. A influência foi tão grande, que no final da década, até os vestidos da rainha estavam mais curtos.”

1977 – Frente única

“Nenhuma discoteca dos anos 70 que se prezasse ficaria completa sem mulheres vestidas com modelos de Halston. O clássico vestido do estilista, silhueta pregueada e frente única virou a cara da década das discotecas. Sensual, desinibida, divertida e livre. A liberdade, cara de uma época pré – aids e pós anos 60 quando as pessoas ainda lutavam por ela.

Halston e seus modelos tem a cara dos anos 70 já que vestia todas as atrizes de Hollywood e ícones de estilo como Bianca Jagger e Jackie Kennedy.”

1985 – Power dressing

“Casas enormes, cabelos volumosos, ombros largos… Anos 80, década do mulherão, do luxo, do brilho. Mais é mais. Da saia lápis e da ombreira. O estilo glamuroso e Kitsch tinha como um dos estilistas mais marcantes Nolan Miller que era responsável pelo figurino do seriado mais popular dos EUA, Dynasty. Ainda que difamado e ridicularizado, o visual power dressing com seu glamour exagerado e perverso, ainda é visto e copiado por grandes estilistas como Donatella Versace.

1990 – Tubinho

” Deixando para trás todo o exagero e luxo dos anos 80, os anos 90 foram limpos, com modelos que pareciam simples e bem cortados.

Hoje Calvin Klein pode ser sinônimo de uma certa globalização, mas o estilista foi o precursor de um estilo clean e clássico que marcou toda a década de 90. O mundo deixava de lado os babados e plissados e procurava algo mais sutil, calmo, ar freco. E foi exatamente isso que Klein deu para o mundo com seu tubinho. O modelo mais minimalista, na cor branca ficou ainda mais popular quando foi usado por Alicia Silverstone no filme Clueless ( As Patricinhas de Beverly Hills) O look virou uniforme das baladeiras e item básico no guarda roupa de toda mulher.”

2001 – Samurai dress

Alexander McQueen é um dos estilistas que melhor define os 00’s. Multitalentoso, irônico, ansioso. Buscava o novo revirando o passado. Uma das suas peças mais marcantes foi o vestido Samurai, carregado de erotismo com modelagem primorosa a peça reflete a vontade e habilidade dos novos tempos para sintetizar impulsos tradicionalistas e iconoclásticos.”

Esses são apenas seis exemplos e trechos do que vocês vão encontrar no livro. Uma delícia e você devora em dois dias no máximo! Pra ler já: Cinquenta vestidos que mudaram o mundo – editora Autêntica

Tags:


2 + 1 =


0 Comentários