Bia Gremion, a modelo plus size que fez história na SPFW

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

04/10/2016. São Paulo, SP. Retrato de Bia Gremion para o GWS. Foto: Carolina Vianna. (Todos os direitos reservados / reprodução proibida sem autorização do autor) – 04/10/2016. São Paulo, SP. Retrato de Bia Gremion para o GWS. Foto: Carolina Vianna. (Todos os direitos reservados / reprodução proibida sem autorização do autor) –

 

Bia Germion desfilou na última SPFW na passarela da marca LAB, também conhecida como a marca do rapper Emicida. Essa temporada foi um sopro de frescor e algo bem mais perto do que queremos ver nas passarelas do mundo em tempos de representatividade, empoderamento e consciência de consumo. Sem dúvidas, uma temporada histórica da São Paulo Fashion Week.

Na LAB teve plus size, negros e a quebra do padrão “para meninas”, “para meninos”. Com o tema “I Love Quebrada”, o desfile sacudiu a internet que elogiou, compartilhou e claro, gerou polêmica. Naquele dia, posso dizer com certeza, que a foto da Bia desfilando com um blusão preto, boné, tênis e meia foi a que mais vi na minha timeline. Muita gente amou e celebrou ver finalmente uma gorda poderosa na passarela, mas claro, críticas e o argumento da “apologia a obesidade” não faltou. O que eu quis mesmo foi saber mais sobre a Bia e fui atrás para conseguir uma entrevista e ouvir da própria, o que ela acha sobre tudo isso. As fotos exclusivas do GWS, são da Carolina Vianna.

04/10/2016. São Paulo, SP. Retrato de Bia Gremion para o GWS. Foto: Carolina Vianna. (Todos os direitos reservados / reprodução proibida sem autorização do autor)

Antes que você pergunte o que Bia faz da vida, ela é modelo mesmo e para o desfile da LAB ela participou de um casting normal, como toda modelo faz. Ela tem 19 anos e no momento se dedica full time à profissão. Uma das maiores motivações? Mostrar para outras mulheres gordas que existem mulheres como elas na mídia, na TV, trabalhando, sendo independente, tendo um relacionamento e se amando pra car#lh%.

Mas se você tá aí em casa, lendo isso tendo certeza que nunca vai se sentir assim, saiba que a Bia também não se sentia:

“Faz 2 anos que eu deixei a papelada da minha cirurgia bariátrica de lado. E toda uma vida de maluquice com o padrão de beleza. Essa cobrança existe para todas as mulheres, mas para mulheres gordas é algo bem pesado. Faz pouco tempo que eu me empoderei, mas mudou minha vida completamente.”

A gente bem sabe que se empoderar para mulheres gordas tem uma importância ainda maior. Deixar de lado as cobranças da sociedade, da família, dos amigos, é finalmente ser livre? 

“É se libertar de uma vida de tristeza. Você sofre cobrança, bullying, vive a vida fazendo dieta. E a pior coisa: Você nunca está satisfeita com você mesma. A pior coisa que tem é você não se aceitar na frente do espelho. É muito doloroso, ainda mais para meninas mais novas, muito triste essa situação. Quero que elas sejam felizes e se amem como elas são.”

Você já se tornou inspiração para muitas garotas, mas quem inspira a Bia?

“Tess Holliday, modelo americana. Ela foi minha primeira referência de modelo gorda, que acho linda demais. E quando eu a vi, eu entrei em choque porque finalmente me vi. O corpo dela parece com o meu e eu sou uma pessoa grande, maior, assim como ela. Ela me ajudou muito na minha jornada de autoestima.”

04/10/2016. São Paulo, SP. Retrato de Bia Gremion para o GWS. Foto: Carolina Vianna. (Todos os direitos reservados / reprodução proibida sem autorização do autor)

Nós sabemos que o movimento gordo ganhou uma força gigantesca no ano de 2016. Claro que o movimento é legítimo. Com isso, estamos vendo cada vez mais mulheres plus size na mídia, nos comerciais, nas páginas das revistas. Mas será que esse momento pra mídia é passageiro? Uma tendência passageira? Você se preocupa com isso? 

“Se for uma tendência, espero que seja copiado por outras marcas, outras marcas que desfilam ou não no SPFW. É uma coisa muito básica. São só roupas, moda e pessoas gordas consomem isso! Não é pra chamar atenção. É simplesmente enxergar o óbvio. Eu gosto de roupa, eu gosto de moda, gosto do que a moda representa. Nada mais justo do que ela conversar comigo também. Se for uma tendência que seja, mas nós sempre estivemos aqui e não vamos a lugar algum.”

Conversando com a Bia é possível perceber que ela tem uma missão. Fazer parte de uma revolução é o que move cada passo dela:

“Eu estava lá, desfilando no SPFW e recebi olhares estranhos dos fotógrafos que estavam ali trabalhando. Um ano atrás, você não via gorda no backstage de um evento desse. Nos corredores, pouquíssimas. Quero quebrar preconceitos e inverdades sobre ser gorda. Fazer parte da mudança da cultura excludente de pessoas gordas que vivemos.”

04/10/2016. São Paulo, SP. Retrato de Bia Gremion para o GWS. Foto: Carolina Vianna. (Todos os direitos reservados / reprodução proibida sem autorização do autor)

Uma reclamação que sempre vejo por aí das garotas gordas é que as marcas feitas para as gordas, não pensam  em todas as gordas, já que geralmente vestem mulheres entre 44 até 54. Eu pessoalmente, sempre me perguntei se era uma forma de excluir mulheres maiores, ou apenas uma problemática financeira, de confecção da peça. O que você acha?

“Olha, acho que existe muito preconceito. Eu visto 60 e é bem difícil. Recentemente, perdi 4 trampos porque as marcas só iam até o 54. É muito bom que esse movimento tenha começado e vejo o esforço das marcas, até fast fashion como a Marisa você encontra tamanho 54, mas ainda não cabem em todas as mulheres, não abraçam todas as mulheres. Acho que falta boa vontade de desenvolver a sua modelagem e aumentar sua grade.”

Outro assunto que é impossível não levantar quando assunto é mulher gorda é a tal da discussão da saúde. O que você tem a dizer sobre isso?

“As pessoas acham que podem te dar um diagnóstico somente olhando para você e associando gordura com má alimentação, com falta de saúde. O que não é verdade. Nem todas as pessoas gordas são doentes, assim como nem todas as pessoas magras, só por terem um corpo magro, são saudáveis.” 

04/10/2016. São Paulo, SP. Retrato de Bia Gremion para o GWS. Foto: Carolina Vianna. (Todos os direitos reservados / reprodução proibida sem autorização do autor)

O GWS acredita que toda garota tem algo incrível para mostrar pro mundo. O que você quer mostrar pro mundo?

“Que gordas são lindas! Que elas podem ocupar espaço, elas não precisam pedir desculpa. Que vai ter roupa pra gente sim, que nós temos valor, que somos bonitas. Que somos fortes e que podemos nos empoderar, que não somos doentes, que não tem nada de errado com a gente, com nosso corpo. Espero levar essa positividade, as coisas que eu acredito, para as meninas que me vêem como referência.”

E nós por aqui, torcemos por mais Bias dominando as passarelas e revistas de moda. A mulher gorda existe, quer e precisa ser representada. A Bia te inspirou? Segue ela no instagram:@biagremion

— ♥ —

assinatura_2016_nuta-vasconcellos1

 

Tags:


9 + 7 =


2 Comentários

  • Virgínia

    Amo o GWS. Nuta, querida, você é uma inspiração, gosto de vc demais! Agora, gente, que mulher maravilhosa essa Bia! Eu PRECISO saber de onde é essa saia! kkkkk Fala aí, amiga, por favor!! nunca te pedi nada!!! #jáquero

    1. GWS

      Oi Virgínia! Que mensagem linda! Obrigada =)
      A Bia é incrível mesmo! E também amei a saia! hahaha beijos e obrigada pelo carinho.