Estive pensando sobre: A importância do autoconhecimento

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

 

autoconhecimento

Ilustração: Isabela Gabriel especialmente para esse post

Eu sempre falo aqui no GWS sobre minha jornada de autoestima, amor próprio e empoderamento. Mas percebi que nunca falei sobre uma “chavinha” fundamental para conquistar isso tudo. Ontem de noite, pensando sobre o intrigante comportamento humano, uma coisa foi me levando a outra e eu percebi (mais uma vez) como o autoconhecimento é fundamental para nós sermos pessoas melhores com nós mesmas e com os outros. Sermos mais gentis com nós mesmas em frente ao espelho e com as outras pessoas, nas ruas, na vida e principalmente, quando podemos nos esconder anonimamente na internet.

“Hater”, palavra usar para definir alguém que “odeia” uma pessoa e está sempre lá, disposta a criticar, humilhar e ser grosseira com a pessoa que ela não gosta, nunca se assume hater. Essa pessoa sempre se considera um crítico, uma pessoa que quer colocar você no seu lugar (no lugar que ela acha que vc deveria estar), uma pessoa que vê o que ninguém mais vê, uma pessoa que está somente “dando a sua opinião” (vixi coisa clássica de gente covarde, né?).

Desculpa te decepcionar hater. Você não é especial. Você é só uma pessoa como todas as outras do mundo, que gostam de umas pessoas e não gostam de outras. E sabe qual é a boa? Tá tudo bem! Ninguém nesse mundo inteiro agrada a todos. Você, nem eu, nem ninguém jamais será amado, admirado ou considerado bonito, inteligente ou legal por todo mundo. E que bom! Como já diz aquele velho ditado cafona e piegas: O que seria do verde se todos gostassem do azul? E não é? Então eu tô de boa se você não gosta de mim. Eu não gosto de um monte de gente! A diferença entre eu e um hater, é que eu sei que eu não gostar de alguém não é problema da pessoa que eu não gosto. É uma questão minha e só minha. Porque eu teria a necessidade de mostrar para a outra pessoa, de falar para a outra pessoa que eu não gosto dela? De tentar a todo custo me fazer presente com a minha “raiva”? Não perco meu tempo com quem eu não gosto. Eu não perco meu tempo vendo coisas ou pessoas que eu não admiro, que não enriquecem meu dia, minhas idéias, minha vida. O que dirá, criar perfil falso SOMENTE pra tentar colocar a pessoa que você não gosta pra baixo? Diquinha boa aqui: Isso é caso pra psicólogo! Não perca seu tempo e marque logo a sua consulta. Porque seria muito bom pra você ter autoconhecendo e descobrir a origem desse terrível hábito de tentar fazer com que pessoas se sintam mal com elas mesmas. Como você se sente em relação a você?

Mas o post de hoje não é sobre a mente bem louquinha dos haters, mas foi isso que me fez pensar sobre a importância do autoconhecimento. Sempre quando eu penso como desenvolvi minha autoestima e passei a me amar mais e me achar bonita percebo que isso só foi possível quando eu passei a me conhecer mais. Me entender mais. Entender meus traços, o desenho do meu corpo, minha mente, meus desejos, a origem das minhas inseguranças, minhas limitações e como eu não estava usando todo o meu potencial.

A real é que ao longo da vida, desde muito, muito novos, nós somos ensinados a ouvir e obedecer os outros. Seus pais, seus avós, professores, os mais velhos, a sua chefe, o mais forte, o especialista…

Depois, gostamos de usar a roupa que o namorado gosta, evitar a que ele não curte, daí tem as roupas da moda, que todas as meninas do colégio usam e é claro, tem que ter aquele objeto de desejo que todo mundo tem.

E assim crescemos sem perceber que vivemos sempre precisando da aprovação, da benção e da permissão do outro. Veja bem, não me entenda errado. Disciplina é algo fundamental para o desenvolvimento das pessoas, mas tanta gente, ao longo da vida dando “palpite” nas nossas escolhas, faz com que a gente se afaste do que somos e queremos de verdade.

E quanto mais você se afasta do seu eu de verdade, menos chances você tem de encontrar o autoconhecimento, o amor próprio, a sua autoestima e a sua felicidade.

Tenho uma teoria todo hater não tem autoestima e pouquíssimo autoconhecimento. Sabe por que? Porque ele acha que te ofender anonimamente, te apontar defeitos ou zoar da sua cara vai mexer com a sua cabeça. Vai te deixar mal, insegura, triste. Por que ele acha isso? Bingo, meu bem! É exatamente como ele se sente quando escuta algo assim sobre ele, ou ele mesmo pensa sobre ele mesmo.

Envelhecer é uma merda. É bizarro ver a pele mudando, seu rosto amadurecendo, olhar pra um grupo de jovens e ver que você não se encaixa mais ali. Mas ficar mais velha, me trouxe um autoconhecimento bizarro. E uma segurança de ser eu, de me mostrar para o mundo do jeitinho que sou e estar 100% ok com isso. Tudo que está na internet sobre mim, meus caros, eu escolhi mostrar pra vocês. Esse texto, minhas fotos no Instagram, meus tweets, meus snaps. E eu tô muito de boa, satisfeita e feliz com isso.

A notícia ruim pro hater é que ele chegou atrasado! Eu já fui absurdamente insegura em relação a ser eu mesma. Sobre meu corpo, meu rosto, meus textos (sim, eu escrevia e não publicava), só que eu ainda estava na casa dos 20, com a pele bem mais firme e com manequim 38. Vai entender, hoje com 30, pele já à base dos anti-idade, vestindo 46, sou muito, muito, muito mais segura e feliz e eu só acho graça (e pena) de quem tenta diminuir qualquer pessoa no mundo pelo que ela é ou pelo que os outros acham dela.

Eu sei, pelo trabalho de autoconhecimento que fiz comigo que nada disso realmente me atinge. Mas infelizmente, eu sei que isso não é uma realidade para milhões de garotas pelo mundo. E esse meu post é pra você. Que é vítima de bullying, de ódio gratuito, de pessoas que tentam te colocar pra baixo. Olhe pra dentro. Se conheça, saiba seu valor, busque o autoconhecimento. Sou a prova viva que funciona.

Nada é mais cruel e maldoso do que tentar fazer uma pessoa odiar ela mesma. Sentir vergonha dela mesma. Saiba você hater que seu “”trabalho”” causa depressão, isolamento social, danos psicológicos irreversíveis em algumas pessoas. Então se a meta da sua vida é ser uma pessoa ruim, parabéns! Você tá vencendo. Mas ainda dá tempo. Sempre dá tempo de ser uma pessoa melhor. Busque você também o autoconhecimento.

Nada no mundo é melhor do que estar em paz com você mesma, nada melhor do que conhecer cada vez mais, cada pedacinho do seu corpo, da sua mente, da sua alma. Construindo, a gente chega lá. E como já disse um velho sábio chamado Noel Gallagher: “Nós precisamos ser nós mesmos, nós não podemos ser mais ninguém”. E isso, minhas amigas, é a mais pura verdade. Não tenha medo ou vergonha de ser você e tudo que você quer ser.

— ♥ —

assinatura_2016_nuta-vasconcellos1

Tags:


3 + 5 =


3 Comentários

  • Ana Beatriz

    Gostei muito do texto, Nuta! Eu não costumo comentar muito mas sempre reflito bastante sobre o que você escreve e consigo me relacionar também. Conhecer a si mesmo é muito importante, e leva tempo. Eu acho que só estou começando a fazer isso de verdade agora. Tenho 18, e boa parte da minha adolescência foi uma confusão. Eu sempre tive certeza dos meus gostos, como os musicais, por exemplo, mas não sabia lidar com coisas internas que aconteciam comigo. E sobre os haters, eu realmente não consigo compreender porque algumas pessoas são tão cruéis. Sofri bullying quando era criança e isso pode afetar uma pessoa por uma vida inteira.

  • helena

    Falta amor no mundo, nas pessoas. Haters precisam de ajuda, e sim, de autoconhecimento. Para que parem de interferir na vida das pessoas.
    Belo texto.

  • Mari

    Nuta, que texto maravilhoso!
    Eu faço terapia com uma antropóloga filosófica e ela fala exatamente isso que você citou no texto: desde criança somos ensinados a obedecer e seguir um “padrão” pré determinado, e isso nos afasta muito do nosso “eu” verdadeiro. A dica dela pra mim foi meditar bastante pra limpar esse “lixão” mental das nossas memórias e nos aproximar mais do nosso verdadeiro eu.