Estive pensando sobre emagrecimento, #projetos e vida saudável

Por Carol Guido / carol@gwsmag.com

fitness

Já estava com vontade de falar sobre este assunto aqui no blog há algum tempo e só agora estou me sentindo um pouco mais madura para escrever. Como vocês sabem, nós somos totalmente contra esterótipos de beleza. Tudo que  a gente faz aqui no blog, nas redes sociais e na nossa vida é focado em bater nesta mesma tecla: livre-se dos padrões e aprenda a se amar.

Por isso, a onda de #projetos sempre foi um calo no nosso sapato. Não tenho uma opinião preto no branco. Até por que, se tem uma coisa que eu aprendi nesta vida é que a gente não precisa de certo e errado em cerca de 80% das situações que nos deparamos. Precisamos é de mais humildade para olhar caso a caso sem precisar ficar por aí expelindo regra. Então vou tentar ao máximo não cair nesta cilada e para isso, separei os “casos” que acho importantes comentar.

 

A desculpa healthy

Nosso cérebro prega peças em nós mesmos. Ele encontra meios de criar desculpas muito convincentes para atitudes que nós resolvemos seguir e não sabemos muito bem se foi por que queremos mesmo ou se é por que já estamos pré determinados àquilo. Nossa cabeça não fica muito tempo no dilema, ela vai lá no estoque de memórias e simplesmente resolve um jeito de amarrar a nossa vontade com um motivo que aparentemente faça sentido.

Mas se você tomar as rédeas ao invés de deixar na mão do seu cérebro, vai ver que as coisas que ele determina não são verdade absoluta.

A desculpa de ser mais saudável não combina com a foto “inspiradora” de um abdômen sarado. Se a ideia é viver melhor, não faz o menor sentido correr atrás de ter uma barriga igual a de outra pessoa. O MENOR SENTIDO.

Então a primeira coisa que eu gostaria de falar é: ser mais saudável é incrível, mas não é sinônimo de sermos iguais. Você pode malhar, correr, fazer dança, comer arroz integral e frutas, mas nada disso vai te dar as coxas da Beyoncé. “Cada um com seu cada um”, já dizia o grande poeta Zeca Pagodinho. Nem a barriga, nem a bunda, nem a coxa, nem nada de outra pessoa pode ser sua meta. Ser uma referência, vá lá, o resto não.

Viva saudável para ser mais feliz, para se sentir mais disposta, para não ter problemas de coração aos 40 anos e para ter o SEU corpo, na melhor forma que você considerar.

 

Equilíbrio

É mais fácil buscar a barriga negativa do que buscar uma barriga própria. Todo mundo quer fórmulas prontas. “Como ser elegante em 10 passos”, “Emagreça 10 kg em um mês” e coisas do tipo.

O problema é que quando se fala de equilíbrio, não tem fórmulas. Você pode até seguir exemplos de outras pessoas, procurar coisas que funcionam em geral, mas sempre vai precisar olhar pra dentro de si e analisar o que é o seu equilíbrio próprio.

Oras, você pode imaginar como pessoas que precisam de fórmulas ficam quando procuram o equilíbrio, né? Perdidos, é pouco.

Daí para acabar caindo em extremos é um pulo. Depois o cérebro vem, acha uma desculpa e pronto. Tá feito o desastre da eterna enganação própria.

E o pior: quem cai em extremos tende a se achar fodão. Com opinião própria, cheio de personalidade.

Ei, pessoa, se liga. É muito mais fácil  botar o pau na mesa como se não houvesse amanhã do que ponderar. Se você está em busca de um desafio de verdade, bota isso na sua cabeça e vai correr atrás do equilíbrio real.

 

Excesso de compartilhamento nas redes sociais

Eu trabalho com branding e redes sociais. Toda vez que o Facebook lança um novo formato de anúncio eles falam a mesma coisa: “este aqui, que relaciona com os interesses dos amigos, traz resultados melhores”.

É claro, as redes sociais fazem parte da nossa vida real e a gente ama compartilhar e ver as publicações dos outros. Não tem jeito, é assim que é! Então nada mais natural que publicar tudo sobre aquela nova fase da sua vida. Os treinos, as receitas, a marmita e tudo mais.

Mas, sabe qual é o problema de verdade? Não são as fotos feias das comidas integrais. É que falta brilho nos olhos de quem posta, falta ser verdadeiro. E mais uma vez caímos na questão dos esteriótipos. Quando fazemos uma coisa “enganados por nós mesmos”, as pessoas percebem. A mesma coisa acontece com quem segue um perfil fitness no Insta por que tá bombando. Aquilo não se sustenta, você começa a ver as fotos e sente rejeição.

Vamos parar de fazer e seguir pessoas que não nos fazem bem. Busque o brilho nos olhos em tudo. Tenta sentir como é bom ser livre, ser true e se amar.

E por favor, se for fazer #projeto, faça por você. Não pela ideia imputada no teu cérebro.

 

Eu tô de dieta, mas hoje comi um potinho de bala de coco depois de ler um e-mail que me deixou puta. Jaquei? Eu não. Só fui humana e tô de boa.

Tags:


1 + 9 =


2 Comentários