O movimento neo hippie e a volta das peças em crochê que são a aposta certeira para o verão 2015

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Parece que tudo que a gente considerava coisa de “vovózinha” está ganhando uma nova cara. Vocês lembram que fiz um post falando sobre o novo bordado? E de como essa arte que parecia ultrapassada está sendo reinventada por uma nova geração de mulheres?

crochê-maios-biquinis-tops

Agora, outra tradição das antigas está sendo repaginada e ganhando status fashion. As peças “handmade” são o que há de mais atual e desejo no momento. A moda sempre busca referências em outras épocas e dá uma repaginada em inspirações antigas. Nessa temporada, o clima de anos 70 ganhou as passarelas  e agora vão invadir seu guarda roupa: os biquínis, maiôs e tops cropped de crochê estão de volta neste verão!

crochê-anos-70

Na década de 70, o crochê fazia parte da cultura hippie, seguindo uma moda mais livre, natural e despreocupada. Em 2015, o crochê está representando a mesma coisa. A moda está resgatando esse desejo de liberdade, de natural, do feito a mão e acredito que por conta disso, as peças desse material estão ganhando destaque.

Esse revival já conquistou principalmente adeptas do estilo boho, cada vez mais confortável e despretensioso mas não menos estiloso. Eu sempre acredito que tendências de moda estão ligadas a movimentos sociais, mesmo que de forma sutil. A volta do crochê, pra mim, não representa só a volta de peças usadas nos anos 70. Acredito também que o espírito hippie dos anos 70 está cada vez mais forte nessa nova geração. O nome dado para esse movimento é “neo hippie” um movimento que vem crescendo desde 2008 dominando a cabeça dos jovens de nossa Geração Y. Esses jovens trazem consigo os valores e ideias do movimento hippie que aconteceu nas décadas de 60 e 70.

crochê-neo-hippies

O movimento neo-hippie tem muita criatividade musical, amor e comportamento livre, sendo que cada vez mais tem se manifestado através da moda. Ele recomeçou nos EUA por conta das guerras anunciadas pelo presidente Bush contra o Oriente Médio e o abuso dos poderes capitalistas e governamentais no país. Esse movimento que vem crescendo e se espalhando pelo mundo, ganhou uma definição do escritor argentino Alejandro Rozitchner: “Ser neo-hippie significa ser informal, aventureiro, esteticamente livre”.

Os jovens neo-hippies estão se mudando cada vez mais para o campo, junto com os amigos, saindo das cidades grandes e indo morar em casas ou condomínios sustentáveis, que já estão sendo construídos no Brasil em inúmeras cidades, com sistemas hidráulicos inteligentes que re-utilizam a água para regar a horta ou o pomar, com telhados de barro para plantar jardins suspensos, sensores de luz para economizar energia e placas de captação de energia. Uma pessoa que se considera neo-hippie procura utilizar meios de locomoção alternativos para poluir menos o ambiente como bicicletas e também procuram ter uma alimentação mais natural e orgânica. Quanto mais natural a origem do alimento for, melhor para a saúde e equilíbrio espiritual. Os neo-hippies também acreditam em uma moda mais justa e são adeptos do slow fashion.  Por conta desse novo movimento social que está ganhando cada vez mais força, podemos esperar grandes mudanças na moda: Principalmente um retorno aos materiais naturais e trabalhos manuais.

O que eles buscam é qualidade de vida, é encontrar a si mesmos através do que fazem, realizar um mundo melhor.

Curtiu o post? Que tal dar uma forcinha e ajudar a gente a divulgar o GWS? Dá um like, compartilha, um tuite também vale! :)

Ah, e pra saber mais do nosso universo encantado, é só seguir a gente nas redes sociais:

Instagram // Twitter // Facebook // Tumblr // Newsletter do GWS

assinatura_NUTA

 

Tags:


4 + 6 =


0 Comentários