Os símbolos wicca e celtas na moda e na cultura pop.

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Os universos da moda e da cultura pop sempre foram apaixonados por simbolismo, misticismo e mitologia. Já acompanhamos a febre de vários símbolos como as caveiras, corujas, asas e penas (que já foi tema de post aqui no GWS! Rapidinha Fashion: Símbolos). E também vimos quando o mundo caiu de amores pela mitologia das sereias (As novas queridinhas da cultura pop: sereias).

A nova investida são os símbolos wicca e celtasWicca é uma religião neopagã influenciada por crenças pré-cristãs e práticas da Europa ocidental que afirma a existência do poder sobrenatural (como a magia), os princípios físicos e espirituais. Foi a cultura wicca que inspirou o filme noventista Jovens Bruxas.

Celta é o nome dado ao conjunto de povos de várias tribos e pertencentes à família indo-europeia que se espalhou pela maior parte do Oeste da Europa a partir do segundo milênio a.C. As manifestações artísticas celtas são muito originais, com tendência abstrata na decoração de peças, com figuras em espiral, arredondadas e desenhos geométricos. Os celtas eram politeístas e adoravam um grande número de divindades associadas a atividades e fenômenos da natureza.

Nessa onda “mística” alguns símbolos da maçonaria e símbolos egípcios também entraram na onda. Como o olho da providência, o triângulo e a cruz ansata (também usada na wicca.)

Voltando a moda, no Brasil a marca carioca Espaço Fashion foi a que apostou mais forte na tendência tanto na coleção atual de verão quanto para a coleção de inverno 2013. Já na cultura pop a cantora Ke$ha usou e abusou dos símbolos no seu último clipe, Die Young.

Alguns símbolos se tornaram especialmente populares nos dias de hoje, olha só o significado deles.

1. Triângulo: O simbolismo do triângulo se cruza com o do número Três. E Três é universalmente um número fundamental que une o intelectual e espiritual, em Deus, no Cosmos e no Homem. Três, dizem os chineses, é um número perfeito, a expressão da totalidade, do todo acabado. O carácter chinês tsi, antigamente representado por um triângulo, exprime a noção de união e de harmonia.

2. Olho da Providência: O Olho da Providência é um símbolo exibindo um olho cercado por raios de luz ou em glória, muitas vezes dentro ou em cima de um triângulo ou de uma pirâmide. Costuma ser interpretado como a representação do olho de Deus observando a humanidade.

3. Cruz celta: Originalmente ela combina o símbolo feminino, o círculo, com o masculino, a cruz, para formar uma imagem que representa a união e é ligada a fertilidade. Esta cruz pré-cristã simbolizava as quatro estações e as quatro direções marcadas, simbolizavam a Terra. Mais tarde, a Cruz Celta foi adaptada pelos cristãos para representar a conexão entre o céu e a Terra.

4. Cruz invertida: A cruz de cabeça pra baixo tem origem católica. São Pedro (um dos apóstolos de Jesus) foi crucificado de cabeça para baixo. Pedro pediu esta forma de crucificação porque ele não se sentia digno de ser crucificado da mesma maneira que Cristo (na vertical). Por isso, alguns católicos usam esta cruz como um símbolo da humildade e da indignidade em relação a Cristo. Inclusive o Papa. A cruz de cabeça pra baixo também é associada aos satânicos e atitudes anti-religiosas (uma forma de protesto a igreja católica).

5. Pentagrama: Originalmente símbolo da deusa romana Vênus foi associado a diversas divindades e cultuado por diversas culturas. O símbolo é encontrado na natureza, como a forma que o planeta Vênus faz durante a aparente retroação de sua órbita. Trata-se de um dos símbolos pagãos mais utilizados na magia porque representa os quatro elementos (água, terra, fogo e ar). O pentagrama é conhecido também como o símbolo do infinito, pois é possível fazer outro pentagrama menor dentro do pentagrama maior, e assim sucessivamente.

6. Triquetra: Triquetra é um simbolo usado no cristianismo, na magia, na bruxaria e na Wicca. Originário das tradições Celtas, ele representa as três faces da Grande Mãe, a energia criadora do universo, cujas três faces são a Virgem, a Mãe e a Anciã. Também representava as estações do ano, que antigamente eram divididas em três fases: primavera, verão e inverno.

7. Cruz Ansata: O símbolo da vida, conhecido também como símbolo da vida eterna. Os egípcios a usavam para indicar a vida após a morte. A cruz ansata popularizou-se no Brasil no início dos anos 70, quando Raul Seixas e Paulo Coelho criaram a Sociedade Alternativa. O selo dessa sociedade possuía uma cruz ansata. Na cultura pop, ele foi associado pela primeira vez ao vampirismo e à subcultura gótica através do filme The Hunger – Fome de Viver (1983).

E vocês curtem a tendência?

Tags:


2 + 7 =


3 Comentários