Troquinha Beauty

Por Marie Victorino / marie@gwsmag.com

Aqui vão as fotos da troquinha que rolou no cemeço do ano.

Não participei, mas fiquei morrendo de vontade depois! ahhahahaha. De novo, uma das coisas mais legais que a gente faz!

O tema dessa foi Beauty, o que já é auto explicativo. E as meninas arrazaram nessa troquinha! Capricho total. Parabéns à todas! Vão ficar “tudo moça bunita”!


Warning: file_get_contents(https://graph.facebook.com/?id=http://www.gwsmag.com/troquinha-beauty/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/home.php on line 72
10 Comentários

Tags:

Encontro GWS

Por Marie Victorino / marie@gwsmag.com

Uma das coisas mais legais de ser uma GWS é a oportunidade de conhecer pessoas que você se identifica e com isso fazer amigos.

Como a gente conversa muito e se “conhece” muito, rola curiosidade e vontade de concretizar essa amizade que a gente cultiva dia-a-dia através do fórum. Por isso a gente marca encontros GWS!

Só esse mês rolaram dois encontros diferentes: um no Rio e outro em São Paulo. Pra ficar ligada sobre os encontros é só dar uma lida no fórum.

No Rio, fomos eu (Marie), Nuta, Carol e Manu (como sempre!), só faltou a Lua que sempre vai também e dessa vez a pessoa nova na roda era a Kenya que de quebra ela levou o namorado que é muito gente fina.

Os encontros são pra gente se conhecer pessoalmente, mas não tem nenhuma regra!! Então é ok levar “gente de fora”, hahahahahha. Aliás, quanto mais gente, melhor!

Nos encontramos no Outback (pra quem não sabe, um restaurante super aconchegante e com comida gostosa e gordurosa, rs) e logo quando sentamos a conversa começou e fluiu numa boa. Falamos de tudo, desde novelas e Big Brother até comportamentos e nossa adolescência.

Uma tarde mais que agradável!

Lá em São Paulo também rolou um encontrinho básico e as meninas falaram que foi super cool também! Elas se encontraram em um shopping e na hora de comer partiram pra um lugar vegan. Enquanto a gente se acabou aqui no Rio, hehehe!

Por lá dá pra notar pelos comentários que elas (Giuliana, Aline, Cynthia e Roxy) também se divertiram muito e também saíram com várias piadas internas. A gente do cigano Igor e lá do Alexandre Pires, hauahuahuahuah.

É isso aí, GWS way of life!


Warning: file_get_contents(https://graph.facebook.com/?id=http://www.gwsmag.com/encontro-gws/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/home.php on line 72
13 Comentários

Tags:

Blytheland

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Bom, sou apaixonada por toys desde que me entendo por gente. Nunca passei batido por uma loja de brinquedo e sempre me interessei por toy art. Sou mesmo uma kidult assumida. Por conta dessa minha paixão por essas pequenas e também porque muitas GWS vinham me perguntar sobre elas, resolvi escrever essa matéria. Aqui vocês vão entender o básico desse mundo e quem sabe, venham a se apaixonar?!

A primeira coisa que você tem que ter na cabeça quando começa a se interessar por blythes é: tenha certeza no que você tá se metendo! Acho que colecionar toys em geral é viciante e quando se trata dessas belezuras então, nem se fala.

Não é a toa que a primeira coisa que todo mundo me pergunta é “quanto custa?”. Bom, de fato Blythes são caras. Tenha consciência de que você vai ter que ter dinheiropra manter o hobby. Elas são fabricadas e importadas diretamente do Japão, a grande parte dos modelos fazem parte de edições limitadas, com mais ou menos três mil ou, às vezes, só 500 unidades do mesmo modelo. Além da boneca, ainda existem os gastos com roupas, acessórios e re-ments (miniaturas feitas para elas). Tudo isso explica o preço salgado. Desde 2001 a Takara (fabricante das blythes) lança pelo menos um modelo novo por mês.

Mas não pensem que por conta destes dados recentes essa bichinha é nova… as blythes existem desde 1972 e eraminicialmente fabricadas pela americana Kenner. Depois, passaram três décadas esquecidas porque foram um fracasso de vendas. As razões para essa rejeição podem ter sido as formas incomuns, como a cabeça, que é desproporcional em relação ao corpo, ou os olhos grandes e redondos, que mudam de cor e viram em direções diferentes quando se puxa um fio. O estilo das blyhtes era demais para os anos 70.

 

Até que em 1997 a conceituada fotógrafa, Gina Garan, percebeu como essas bonecas eram estranhamente lindas e fotogênicas.

Pegando a “onda” a japonesa Takara sacou que aquilo era brinquedo de gente grande e tratou de relançar as blythes e batiza-las de NEO- Blythe, já em 2001.

O.K, agora que vocês já sabem um pouquinho da história delas, basta “dar  um google” para voltar a ficar perdidinha… já viram blythes completamente diferentes umas das outras certo? Calmaaa tia Nuta explica.

Existem as Neo blythes, que são as mais polulares, com 23cm de altura e em 4 moldes diferentesde rosto: a BL, a EBL, a SBL e a RBL. Fora os antigos da Kenner e ADG. Também existe a petit blythe, com 11cm de altura.

A customização em Blythe é muito comum. E praticamente TUDO nela pode ser mudado. Cabelo, maquiagem, olhos, corpo… E isso, na minha opinião, é uma das coisas mais legais da boneca. Ela é uma ótima ferramenta para praticar a criatividade. Você pode se deselvolver fotografia, estilismo, produção… só por ter uma blythe.

 

Se você acha que elas reinam sozinhas no mundo das dolls está enganada. Também existem outras como as: pullips, Dals, Momoko,Hujoo… mas a blythe ainda reina no meu coração.

Bem, girls, espero que eu tenha conseguido dar uma “luz” desse mundo para vocês.

Se vocês quiserem ajudas sobre blythes, escrevam pra mim: nuta@gwsmag.com

Segue alguns links para vocês se aprofundarem:

www.blythe.com.br

www.thisisblythe.com

www.blythedoll.com

1. Foto: Denise Ricardo. Dolls: Má e Nuta

2. Foto e dolls: divulgação Takara

3. Foto: Gina Garan

4. Foto e dolls: divulgação Takara

5. Foto, doll e customização: Kitana


Warning: file_get_contents(https://graph.facebook.com/?id=http://www.gwsmag.com/blytheland/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/home.php on line 72
9 Comentários

Tags:

Blytheland: tudo sobre as bonecas Blythe

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Bom, sou apaixonada por toys desde que me entendo por gente. Nunca passei batido por uma loja de brinquedo e sempre me interessei por toy art. Sou mesmo uma kidult assumida. Por conta dessa minha paixão por essas pequenas e também porque muitas GWS vinham me perguntar sobre elas, resolvi escrever essa matéria. Aqui vocês vão entender o básico desse mundo e quem sabe, venham a se apaixonar?!

denisericardo

A primeira coisa que você tem que ter na cabeça quando começa a se interessar por blythes é: tenha certeza no que você tá se metendo! Acho que colecionar toys em geral é viciante e quando se trata dessas belezuras então, nem se fala.

Não é à toa que a primeira coisa que todo mundo me pergunta é “quanto custa?”. Bom, de fato Blythes são caras. Tenha consciência de que você vai ter que ter dinheiro pra manter o hobby. Elas são fabricadas e importadas diretamente do Japão, a grande parte dos modelos fazem parte de edições limitadas, com mais ou menos três mil ou, às vezes, só 500 unidades do mesmo modelo. Além da boneca, ainda existem os gastos com roupas, acessórios e re-ments (miniaturas feitas para elas). Tudo isso explica o preço salgado. Desde 2001 a Takara (fabricante das blythes) lança pelo menos um modelo novo por mês.

Mas não pensem que por conta destes dados recentes essa “bichinha” é nova… as blythes existem desde 1972 e eram inicialmente fabricadas pela americana Kenner. Depois, passaram três décadas esquecidas porque foram um fracasso de vendas. As razões para essa rejeição podem ter sido as formas incomuns, como a cabeça, que é desproporcional em relação ao corpo, ou os olhos grandes e redondos, que mudam de cor e viram em direções diferentes quando se puxa um fio. O estilo das blyhtes era demais para os anos 70.

olhos

Até que em 1997 a conceituada fotógrafa, Gina Garan, percebeu como essas bonecas eram estranhamente lindas e fotogênicas.

fotografa

Pegando a “onda” a japonesa Takara sacou que aquilo era brinquedo de gente grande e tratou de relançar as blythes e batiza-las de NEO- Blythe, já em 2001.

O.K, agora que vocês já sabem um pouquinho da história delas, basta “dar um google” para voltar a ficar perdidinha… já viram blythes completamente diferentes umas das outras certo? Calmaaa tia Nuta explica.

Existem as Neo blythes, que são as mais polulares, com 23cm de altura e em 4 moldes diferentesde rosto: a BL, a EBL, a SBL e a RBL. Fora os antigos da Kenner e ADG. Também existe a petit blythe, com 11cm de altura.

neo-e-petit

A customização em Blythe é muito comum. E praticamente TUDO nela pode ser mudado. Cabelo, maquiagem, olhos, corpo… E isso, na minha opinião, é uma das coisas mais legais da boneca. Ela é uma ótima ferramenta para praticar a criatividade. Você pode se desenlvolver fotografia, estilismo, produção… só por ter uma blythe.

antesedepois

Se você acha que elas reinam sozinhas no mundo das dolls está enganada. Também existem outras como as: pullips, Dals, Momoko,Hujoo… mas a blythe ainda reina no meu coração.

Bem, girls, espero que eu tenha conseguido dar uma “luz” desse mundo para vocês.

Se vocês quiserem ajudas sobre blythes, escrevam pra mim: nuta@girlswithstyle.com.br

Segue alguns links para vocês se aprofundarem:

www.blythe.com.br

www.thisisblythe.com

www.blythedoll.com

1. Foto: Denise Ricardo. Dolls: Má e Nuta

2. Foto e dolls: divulgação Takara

3. Foto: Gina Garan

4. Foto e dolls: divulgação Takara

5. Foto, doll e customização: Kitana


Warning: file_get_contents(https://graph.facebook.com/?id=http://www.gwsmag.com/blytheland-tudo-sobre-as-bonecas-blythe/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/home.php on line 72
Comentar

Tags: