Primeiramente boa noite #28 – Acordei, baby

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Por Gian Lucca:

#28

A história a seguir pode ser real, pode ser surreal, pode ser minha, pode ser sua, pode ser do universo, pode ter acontecido em saturno, pode ter sido depois de um tsunami. No fim, é só uma história mesmo. Mais uma, o que não deixa de ser menos ou mais especial. Importante, talvez. Um horizonte novo, meio laranja, meio riscado de nuvens cinzas.

Madrugada. Talvez tocava uma música tipo Molejo, despretensiosa noite porque, 4 da manhã, você já virou abóbora e as coisas já são tão difíceis de acontecer que você desencana. Sua foda fixa tava presente e mais 20 minutos era lá que você ia correr. Sextas-feiras pedem uma trepada gostosa. Um sexozinho meio nervoso. Entraram as faxineiras no salão mesmo com a festa ainda rolando, você percebe que está sendo meio chavecado, dá risada e nem se dá conta da bolha que tava entrando. Vira de costas e ganha um beijo lindo, de vários minutos. Quando para, ri de novo. Quando você ri é meio caminho andado. Não pergunta o nome, não faz questão de nada. Aquilo alí já era ótimo. Seus amigos que estavam em sua volta ficam querendo falar com você mas você se sente meio surdo. Só podia ser surdez.

Dez passos a diante, sem mãos dadas ou maiores chamegos, Bruna Surfistinha tava alí. Eu adoro a Raquel. Puta mulher foda. Descobri outra pessoa que é louco dos famosos e logo fotografei. No meu celular, a foto do meu par com Bruna sorridente. Era a primeira foto. Depois foram quase 3 horas de conversa que juravam ser 15 minutos. De Mombojó a Gal, do Rio pra Itália, de cerveja pra vinho e vodca. Nicotina no ar, pulmãozinhos saltitantes, verde forte na luz. Só podia ser o universo.

Dia seguinte, o mundo real. Oi, tudo bem. Oi, tudo bom. Adorei ontem. Curti ontem. Adiciona no Instagram. Foto de 20 semanas atrás com um like na foto do meu vinil da Gal. Sinais. Mini surto e salto bambo. Ok. Trabalhar no sábado, mais um dia normal na vida de um eterno freelancer amoroso. Fim do dia e revelações do tipo “não fui 100% sincero com você, eu namoro”. O mundo caiu não pelo namoro, mas era muito estranho o universo errar. Fim do papo, mini tristeza, bola pra frente. Dos planetas pro destino. “Só pode ser destino, acabei de encontrar meu namorado e ele terminou comigo.” Primeira reação era que eu sabia que o universo não ia decepcionar, a segunda que o parzinho tava triste, a terceira a certeza de que essa história mal tinha começado e já tava bem doida.

Estamos em silêncio, mas a gente sabe que daí vai vir muito barulho. E vocês me mandando email achando que eu tinha desencanado do amor. Meu coração é gigante, amor é isso aí.

Curtiu o post? Que tal dar uma forcinha e ajudar a gente a divulgar o GWS? Dá um like, compartilha, um tuite também vale! :)
Ah, e pra saber mais do nosso universo encantado, é só seguir a gente nas redes sociais:
Instagram // Twitter // Facebook // Tumblr // Newsletter do GWS
 
assinatura Gian_4 copy

Tags:


2 + 8 =


0 Comentários