Sobre moda…

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Espaço

Chegou ao fim mais uma temporada de moda. E como o que vocês pedem é lei, fizemos pra vocês o resumão de tendências desfiladas no Fashion Rio, especial “pegou mesmo” com o que mais foi visto pelos corredores da bienal e também GWS TV e o do SPFW vem aí. Aliás, ainda falta postar algumas coisitas do Fashion Rio também. 

Espaço

Mas antes, pensei em compartilhar algumas opiniões pessoais sobre moda em si. Fiquei pensando se essa insatisfação, essa agonia que eu estava sentindo em relação “à moda” era implicância minha, coisa de gente rabugenta. Depois de bater um papo com amigas, percebi que não estava só neste tormento, e já me senti levemente aliviada por não estar só na multidão. Então tive certeza que era o momento de escrever este post pra vocês. Na verdade toda a minha “insatisfação”, vamos dizer assim, não começou com as semanas de moda. Talvez as semanas de moda serviram para eu chegar ao ápice do meu fucking boring.

Espaço

Me interessei por moda tinha 16 anos. Provavelmente a idade de muitas de vocês, que estão lendo este post agora. Nove anos me separam daquela menina, e hoje aos meus 25 anos posso dizer que muita coisa mudou e olha, que nem faz tanto tempo assim. Nos meus 16 anos quem queria estudar moda era estranho, não era o popular. Gostar de moda era gostar de constatar, de se rebelar, de inovar, de se destacar, de criar. Não existia regras, certo ou errado, manual de instruções. Isso era careta, e coisa de careta nada tinha a ver com a moda.

Espaço

Moda agora tem etiqueta, e quanta etiqueta! não só aquela da instrução de lavagem, ou aquela gigante gritando a grife que ela pertence, mas também etiqueta de boas maneiras, de certo e errado, do isso pode, isso não pode. “Estar na moda” podia logo mudar o nome para “estar uniformizado”. Não existe mais se identificar com as referencias, o usar fazer parte do ser. Caveira tá na moda? UHUL! vamos nos jogar! Não importa se você sabe o significado, se aquilo combina com a sua essência, se aquilo diz algo da sua personalidade. “Saiu na capa da Vogue? Tem que estar no meu armário”.

Espaço

O pior de tudo foi quando o sopro de esperança acabou piorando a coisa toda. Sim meninas, estou falando deles, os blogs. Estes deveriam ser a imprensa de esquerda, a verdade, a essência. Mas logo se transformaram em máquinas de red carpet e a venda do falso glamour. Pronto: a receita do sucesso! E cada dia surge mais um. Com a “identidade” super chupada daquele outro ali, ou aquele lá.

Espaço

Ok, eu estava relativamente tranquila quando achei que toda essa caretice estava somente entre nós, meros mortais. Os artistas ainda estavam lá, lutando pela revolução, criando! Mas essas semanas de moda realmente me assustaram… Cadê nossos estilistas tão talentosos? com personalidade? Cadê a identidade da moda brasileira? Não estou falando de bananas ou papagaios, estou falando do fato de tudo parece um grande dèja vu. Tudo (com algumas excessões) pareceu… boring, repetitivo, dentro daquela “zona de conforto” na passarela.

Espaço

Então corri pra mídia! Não é possível… os críticos, os jornalistas devem ter algo a falar sobre isso! As blogueiras, as meninas que deveriam ter o olhar mais crítico por não terem“strings attached” … Alguém por favor?

Nada além de releases, cartela de cores e “amei esse look”. BORING. Caíu a ficha final…. A moda, está na zona de conforto. Quem faz, quem consome e quem critica. E caminha feliz com suas regrinhas do isso pode, isso não pode. Isso é trend, isso é cafona. Com manual de instruções; Previsível. Eu adoraria culpar os criadores, os estilistas, o mercado da moda…. Sabe assim, o governo? Mas eu culpo a mim, e a você, que nos conformamos com as migalhas trend, com os looks do dia, e quem acha que moda é fazer carão.

Espaço

Moda é expressar seus sentimentos, é ideologia, é movimento. É uma explosão de cores, idéias, sentimentos… é paixão. E eu tenho achado tudo, tudo muito bege. Ou melhor, pra ficar trend: Nude.

Espaço

Trilha sonora do post:

Espaço

Espaço

Pra pensar mais:

Espaço

Modices: “Considerações sobre uma temporada sem tempero” por Carla Lemos

Já matei por menos “SPFW #3” por Juliana Cunha

Espaço

Tags:


2 + 6 =


16 Comentários

  • Tamie

    Que incrível, não estou sozinha!!
    Ha algum tempo tenho achado bem isso mesmo.. hoje em dia tudo tem regra, né? Não é mais aquela coisa de antigamente, e pelas razões as quais me interessei tanto por moda e resolvi cursar (e também era vista como “esquisita” hahah). Quando entrei na faculdade vi muito disso, chega a ser vergonhoso! Uma pena que grande parte das pessoas que dizem gostar de moda, não entendam seu real significado, e no final acabam todas iguais.

  • isasandrade

    style sem attitude

    hordas de meninas cabide, sem paixão.

  • Natty Ambrósio

    Essa explosões que a gente tem de vez enquanto, como essa são ótimas. Quando compartilhadas então, melhor ainda, que ai descobrimos que não estamos sozinhas nessa. Isso rola até de desencadear um movimento pró Moda com atitude hein Nuta?!

  • Clarissa

    Belo post

  • Gabriela

    Concordo. Eu acredito que a moda aconteça de modo natural sabe… vc gosta daquilo e daquilo, se sente bem e sai pra curtir! A moda é o que te identifica por fora sabe? é meio que uma extensão do que vc é, do que gosta. Não é uma ditadura, quem vive moda sabe.

  • Beasmartin

    Senti a mesma coisa que a Tamie na faculdade, as pessoas perderam a “essência” da moda. Moda virou sinônimo de consumismo, e as pessoas que gostam virarm fúteis. Pelo menos ainda tem gente que se incomoda com isso, agora é só fazer algo pra mudar.

  • tati

    eu acho que moda é arte no corpo. extensão da gente mesmo.
    esses dias eu tava conversando com uma colega de curso (museologia) e ela disse odiar moda. por um segundo quase comecei um bate-boca, mas aí me toquei que a maioria das pessoas não deve enxergar moda como a gente… então larguei de lado.

  • aline dias

    faço das tuas palavras as minhas! senti a mesma coisa essa temporada.

  • Bruna

    Olá! Conheci seu blog há pouco tempo, mas desde então sempre acompanho. Não costumo comentar, mas esse post merece! Adorei a sua crítica e fico feliz em ler posts como esse, tão bem escrito e com um conteúdo de quem pensa a respeito e não apenas consome. Parabéns (e obrigada)! Abraço :)

  • Camyla Mendes

    Super concordo com o post! Acho que as pessoas estao cada vez mais com preguica de pensar e usar formulas prontas acaba sendo o caminho mais facil..e tambem o mais obvio e menos inovador! bjs

  • Caroline

    Foda, tu disse tudo e mais um pouco!

  • Nuta Vasconcellos

    Vou confessar que antes de subir esse post fiquei bem ansiosa pra saber a opinião de vcs. Achei que ia rolar vááários mal entendidos, mas pra minha surpresa, não. Isso significa que a coisa tá braba mesmo.
    Natty, pró moda com atitude, vamos nos unir GWS! hahahaha por um mundo menos babaquinha haahaha
    AMO quando vcs comentam o post…adoro ler o que vcs pensam. Obrigada meninas!
    bjs

  • Nuta Vasconcellos

    Ah, quero elogiar Marie tb! pela bela montagem do post.

  • Natty Ambrósio

    Tati, adorei essa frase que você usou “eu acho que moda é arte no corpo. extensão da gente mesmo.” É sua mesmo? ou citação de alguém q vc nao lembra quem é? Só pra se um dia eu usar (e vou, pq adorei rs) dar os devidos créditos.

    Aquanto a montagem Nuta, a Marie A-ha-za mesmo! Tá ai uma boa hein, tutorial de montagens bésico. rs

    Beijos beijos meninas!

  • Joseana Suelen

    Olá, eu concordo com você tenho 19 anos e me interesso por moda desde os 17 :p ah pouco tempo, mas ando revoltada com todas essas regras que a moda está colocando, as pessoas não querem ter um estilo verdadeiro mas sim andar na moda nem que seja andar igual a todos os outros e isso é vergonhoso, pois para mim moda é ser diferente ter criatividade e não ser igual.

    amei seu post.

  • Ju Costa

    Daí que tô atrasada e devo ter sido a última a ler esse post genial? Tô nem aí!

    Falando sério agora: Você conseguiu achar as palavras certas pra dizer tudo aquilo que de uma forma ou outra tava “dando um nó na garganta” já, e eu concordo MUITO contigo!
    Esse post serviu pra esclarecer algumas coisas que antes não passavam de dúvidas e agora viraram certezas… Foi muito bom ler isso! Acho que comecei a me interessar por moda com uns 14 anos, por aí… E esse interesse surgiu meio que do nada, quando eu assistia alguns desfiles por puro passatempo e achava bizarro tudo o que era desfilado nas passarelas… Passei a procurar mais sobre essa “bizarrice” toda na internet, quis saber mais e prestar mais atenção nos desfiles. Até que percebi que toda aquela coisa bizarra era moda, era o que a gente usava, sempre adaptando ao nosso estilo! Moda é mais que uma roupinha bonita, é mais que qualquer rótulo, qualquer etiqueta, qualquer tendência. Moda é expressão, inovação, arte, inteligência, referência e criatividade principalmente.

    “MODA É UMA FORMA PASSAGEIRA E MUTÁVEL DE SE COMPORTAR.” – Wikipédia sobre moda. – E já que mutável significa mudável, alterável, inconstante e nos lembra de cara a palavra MUDANÇA, por que não MUDAR? Por que não OUSAR? Por que não fazer do nosso jeito e do jeito que a gente se sinta bem? E moda pra mim, é sinônimo de ÚNICO. E essa de achar que moda se resume a isso ou aquilo é o que mais me “irrita”. Moda não se resume a NADA. Moda é moda, e é assim que tem que ser, sempre!

    Também não acho que os estilistas são os grandes culpados disso tudo o que tá rolando no mundo da moda. Esse marasmo todo, essa falta de criatividade, inovação… É culpa NOSSA mesmo.
    Nós, em qualquer categoria que for. Seja a de meros mortais, apaixonados por moda, interessados, formadores de opinião, estudantes de moda, jornalistas, consumidores de moda… Somos nós os verdadeiros culpados desse NUDE todo.
    E acho que pra mudar isso, antes de qualquer coisa, temos que saber o sentido real da moda. Por que moda não é marasmo e nem falta de criatividade. Pelo contrário. Moda não tem que ter definição, certo, errado, careta, brega… A moda tem que ser moda por nós mesmos, do jeito que a gente sabe fazer e começando pelo jeito que a gente se veste. A gente não tem que se importar com o que os outros pensam ou vão falar. Por puro desabafo acabei escrevendo demais, eu sei. Mas é que certas coisas ficaram tão claras pra mim e outras desde sempre foram tão claras e eu não tinha meio que uma oportunidade pra compartilhar tudo isso!
    SORRY pelo desabafo mesmo girls!

    Considerações finais: Arrasou no post Nutella! E a montagem da Marie ficou FODA!

    Beijo! (@_jujubscosta)