Altar menstrual: Como acessar seu lado mais sensível e seus poderes oraculares

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Meu primeiro post aqui no GWS foi sobre como alinhar seu ciclo menstrual com a lua e montar o seu diário da lua vermelha e como prometido no primeiro post, chegou o momento de se aprofundar mais nessa história e na sua conexão com a lua e com seu corpo. A Lua é o astro regente dos ciclos da água e da vida.  As marés, a seiva das plantas, o eletromagnetismo terrestre, os partos, são todos regidos por ela. É ela quem guarda os mistérios do inconsciente. Desde a antiguidade a lua foi relacionada ao feminino e suas propriedades foram atribuídas à diferentes Deusas, representantes dos três arquétipos lunares, a donzela, a mãe e a anciã, todas parte integrante do ciclo de vida, crescimento e morte, e todas partes de nós mesmas.

Captura de Tela 2017-04-19 às 11.32.32 PM

Ilustração: misangry

Desde o período Paleolítico já foram encontrados traços de culto à Deusa, como a Vênus de Hohle Fels, com 35000-40000 anos de idade. Sabe-se também que os primeiros calendários feitos pela humanidade eram baseados nos ciclos lunares e pinturas rupestres que relacionavam as fases da Lua e as atividades humanas. Ciclos da natureza já foram encontradas em diversos lugares. E assim como é um conhecimento antigo e comum entre as parteiras que a lua rege os nascimentos, os povos antigos conheciam a íntima relação entre a Lua e as mulheres, representando esses mistérios em suas Deusas e práticas ritualísticas. Mulheres de diversas tribos se reuniam nas chamadas “Tendas Vermelhas” em seu tempo de lua para acessar seu lado mais sensível e seus poderes oraculares, muitas vezes saindo de lá com previsões e aconselhamentos para a tribo. No post de hoje vamos aprender a criar a nossa própria tenda vermelha.

A Menstruação pode ser um período emocionalmente conturbado, pois é a fase de nosso ciclo onde estamos na nossa sombra, nosso arquétipo minguante e negro, encarando o inconsciente, mais abertas e sensíveis energeticamente e com a intuição mais afiada. O aspecto da Deusa associado a esse período é a Anciã, ou a Mãe Negra, adorada e ao mesmo tempo temida, a sábia bruxa, senhora do ciclo de vidamortevida. É hora de encarar de frente tudo aquilo que nos recusamos a ver sobre nós mesmas e sobre a realidade que nos cerca, por isso o corpo dói, as emoções parecem furiosas e incontroláveis. É preciso parar de negar e soterrar dentro de nós tudo aquilo que consideramos desagradáveis, para que então possamos lidar com isso de frente, despertando a força da donzela guerreira. Mas antes é preciso deixar morrer, é preciso sentir com intensidade e plenitude tudo aquilo que está sendo colocado diante de nós.

A morte e a vida já foram indissociáveis, e é necessário aceitar o fim de certas coisas, para que então novas possibilidades se estabeleçam. É necessário podar uma planta para que ela cresça forte e dê seus melhores frutos, assim como é necessário se despedir de velhas realidades que não nos servem mais, afim de alcançar aquilo que realmente desejamos, por mais doído que isso seja, e esse processo é vivido inconscientemente durante a menstruação, por isso, conectar-se com esse período ameniza seus sintomas destrutivos. O corpo fala, mas quando não escutamos, o corpo grita.

A menstruação traz a limpeza desses aspectos, mas também traz a vida, e é esse o seu grande poder curador. Ao contrário do que nos fazem acreditar ao longo da vida, o sangue menstrual não é um sangue residual e sujo, e foi constatada recentemente a presença de células tronco nesse fluido. É um sangue biologicamente e energeticamente extremamente rico, e é daí que surgiu o antigo costume de se devolver o sangue para a Terra, colocando-os nas plantas ou sangrando diretamente sobre o solo. E por levar a vida a menstruação também cura, cura as mágoas e as feridas, leva embora angústias, traços de personalidade que não mais nos ajudam e traumas. O útero é o centro de poder feminino, e mesmo naquelas mulheres que nasceram sem útero ou que precisaram tê-lo retirado, seu poder vibra e permanece. Guardamos e acumulamos tudo em seu interior, e durante esse período deixamos que isso flua e seja absorvido pela Terra, com seu enorme poder de cura e transmutação, transformando tudo aquilo que agora se despede de você, em nova vida que flui em seu universo interior e exterior. Na morte mora a vida, e a vida, inerentemente, leva à morte, e esse é só um dos muitos mistérios da Deusa, da lua e seu.

Para se conectar mais profundamente com essa fase você pode montar um altar menstrual. Um altar é um pequeno espaço sagrado reservado e montado de acordo com uma função estabelecida, neste caso, o vínculo com seu sangue lunar. Ele funciona como um ancorador das energias que nele são colocadas, emanando aquilo para você. Ao montar um altar menstrual, intensifica-se conexão estabelecida com os mistérios do profundo feminino e do sangue.

Para montar o seu altar menstrual  você vai precisar de:

  • Incenso (incensos relacionados a energias femininas como o gêranio, jasmim, ou rosas são os ideais)
  • Vela vermelha
  • Terra, plantas, cristais ou sal grosso
  • Água ou vinho
  • Jarro menstrual (recipiente com tampa, geralmente feito de cerâmica, que armazena uma mistura de água e sangue menstrual)
  • Enfeites, imagens e o que mais você quiser

O tempo dedicado ao seu altar é um tempo dedicado a você mesma, então desligue o seu celular, feche a porta, e sinta-se relaxada e a vontade, se quiser, coloque músicas que te lembrem esse momento de conexão com seu feminino ancestral e sábio, e purifique a si e ao local com um incenso ou defumação. Quando sentir que está calma e conectada o suficiente, comece a arrumar o lugar escolhido, colocando uma toalha ou pano para forrar e dispondo os elementos da forma que lhe agradar. Você pode colocar elementos que remetam à Deusa, como imagens ou objetos, cristais vermelhos como a jaspe, de forma que aquele espaço se torne a sua conexão com si mesma e o poder que em ti reside. Quando quiser se conectar com essa energia, basta acender a vela e o incenso, e meditar.

Quer saber mais sobre magia e  a influência e presença da natureza na nossas vidas? Vou ministrar um curso no Espaço Criativo GWS em breve! Para se inscrever: Introdução a Magia, com Fernanda “Surati”

— ♥ —

assinatura_2017_surati


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/altar-menstrual-como-acessar-seu-lado-mais-sensivel-e-seus-poderes-oraculares-2/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 400 Bad Request in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags:

Diário da Lua Vermelha: Alinhando seu ciclo menstrual com a Lua

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Estudar os astros, as plantas, as práticas espirituais antigas e os sistemas de magia nos ajuda a encontrar uma antiga feiticeira que existe em todas as mulheres, e a Lua é nossa grande aliada. É sob seus auspícios que saímos do domínio solar do consciente e adentramos o mundo interno, é ela quem revela as realidades ocultas, os mistérios cíclicos do sangue e da seiva. A Lua, grande espelho das águas inconscientes rege nosso ciclo mensal. Aprender a entender e respeitar os próprios ciclos é um segredo que as mulheres antigas dominavam, e que reside ainda dentro de todas nós.

Henn Kim

Ilustração: Henn Kim

Adentrar os mistérios lunares é mergulhar no profundo feminino, é aprender que somos parte integrante do todo, espelho e reflexo da natureza em seus aspectos mais luminosos e belos, mas também em todos as suas faces sombrias. Dançar com a lua e celebrar o eterno ciclo de vida, dentro e fora de si, entender nos ciclos da Terra e de si mesma, os movimentos de geração, nutrição, e destruição, e saber que a morte é tão necessária quanto o nascimento para a manutenção da vida.

Ao longo das eras, muitas crenças povoaram o mundo, e com elas as mais diversas ferramentas de cura foram descobertas, desde técnicas de cantos e toques de tambor, até a descoberta das propriedades físicas e energéticas de elementos naturais encontrados ao redor. Tudo isso constitui um legado ancestral que ainda pulsa dentro de cada mulher, aquela que traz a recordação, para que juntas possamos nos recordar de quem realmente somos, através das ervas, da lua, da magia. Uma das ferramentas mais utilizadas pelas mulheres para entender e acompanhar o ciclo menstrual e a influência lunar é o “Diário da Lua Vermelha”, um diário onde a cada ciclo uma nova mandala lunar é desenhada, juntamente com anotações diárias sobre nossos humores, sonhos, sensações físicas e emocionais e respostas fisiológicas do corpo. Com o passar do tempo, a utilização desse diário serve como um guia pessoal sobre o corpo feminino e a lua.

Antes de fazer o diário é muito importante entender sobre as fases da lua e seus efeitos, assim como entender sobre as etapas do ciclo menstrual. Nesse primeiro texto vamos aprender a confeccionar o diário, para nos textos seguintes nos aprofundarmos na relação entre a lua e nosso sangue. A palavra “menstruação” tem origem na palavra latina “menstruum” que significa tanto mês, quanto um solvente alquímico com a capacidade tanto de dissolver quanto de coagular. Desde os primórdios a menstruação e a passagem do tempo foram associados, e os primeiros calendários da humanidade seguiam o ciclo de 28 dias da lua, e entender como suas fases atuam na natureza é essencial para entendermos como ela influencia nossos corpos e emoções.

 

diario-lunar-2-gws

Para fazer o diário é só imprimir o diagrama acima a cada menstruação e seguir as instruções!

  • A primeira fileira numerada de 1 a 32, representa o ciclo.
  • Na segunda fileira, você vai preencher com os dias do mês, começando pelo primeiro dia de menstruação. Então se menstruar no dia 18, comece do dia 18 daquele mês em diante.
  • Na terceira fileira, são as fases da lua. Preencha as bolinhas com a fase certa da lua, no dia que menstruou. Use as legendas como referência pra pintar a bolinha!
  • Na quarta fileira indique com o símbolo escolhido para cada etapa do ciclo, como menstruação, ovulação, tesão, sexo, alterações emocionais,
  • Estabeleça um dicionário de símbolos sobre os assuntos que deseja manter controle, é necessário pelo menos um símbolo para menstruação, um símbolo para ovulação e um símbolo para o fluxo de corrimento vaginal.

Lua Nova: O céu aparenta estar sem lua, somos convidadas a mergulhar no vazio profundo, onde a racionalidade fica em segundo plano e o inconsciente vem à tona, trazendo para o espectro visível coisas que ainda estavam sob a superfície.  Etapa inicial do ciclo lunar, é o momento ideal para o início de novos projetos e objetivos

Lua Crescente: Aquilo que foi plantado durante a Lua Nova começa a nascer, e é hora de revisar esses projetos, fazendo as modificações necessárias, e de se empenhar para colher bons frutos.

Lua Cheia: A lua apresenta seu vigor máximo, e aquilo que foi plantado se encontra em seu ápice. É tempo de transbordamento, e de se entrar em contato com os frutos daquilo que foi semeado na Lua Nova, privilegiando a clareza para uma boa compreensão.

Lua Minguante: O que a Lua Cheia trouxe deve agora ser analisado, independentemente dos resultados alcançados. Na Lua Minguante aquilo que não funcionou será revisado e alterado se necessário for, preparando o solo para a semeadura da próxima Lua Nova.

Pronto, ao logo dos meses você vai começar a perceber com mais clareza as influências da lua sobre si, e como utilizar a seu favor esse conhecimento. Nos próximos textos, já com os diários em mãos, nos aprofundaremos nos poderes de nosso sangue, nas influências das fases da lua e de nosso ciclo biológico e hormonal, e a como utilizar magicamente cada período desses.

“Recordar, del latín re cordis: volver a pasar por el corazón”

— ♥ —

Por: Fernanda Grizzo (SURATI)

assinatura_2017_surati


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/diario-da-lua-vermelha-alinhando-seu-ciclo-menstrual-com-a-lua/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 400 Bad Request in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
3 Comentários

Tags: