Mercado de trabalho, mulheres e deficiência

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Consegui meu primeiro emprego aos 18 anos. Era minha responsabilidade checar se o ponto eletrônico de uma empresa de telemarketing funcionava corretamente. O que eu fazia, o dia todo, era abrir e fechar um sistema e ver se tudo estava OK. De hora em hora, seis vezes ao dia. No resto do tempo, nada. Fiquei nessa função por cinco meses até entrar na faculdade e conseguir meu primeiro estágio em TV.

Giada Ganassin

Ilustração: Giada Ganassin

Essa oportunidade surgiu porque a empresa precisava se adequar à Lei das Cotas para evitar multas do Ministério do Trabalho. Essa lei completou 25 anos em 2016 e, resumidamente, diz que todas as empresas com mais de 100 empregados devem contratar pessoas com deficiências congênitas ou reabilitadas. A medida que o número de funcionários aumenta, aumenta a porcentagem de cotistas.

Anos mais tarde, já formada em jornalismo, tive a oportunidade de trabalhar em São Paulo. Eles praticamente me imploraram para aceitar o serviço porque não existia alguém, com deficiências, com tantas qualificações e experiência. Eu era perfeita para a vaga! Ao invés disso, aceitei um emprego de assistente administrativa em uma metalúrgica da minha cidade porque ficava muito caro me contratar como jornalista. As duas vagas existiam por conta de cotas.

Há cotas também em concursos públicos, programas de pós-graduação, programas do governo como ProUni e Bolsa Família. Segundo dados do IBGE, 6,2% dos brasileiros possuem algum tipo de deficiência; cerca de 45 milhões de pessoas. Desse total, segundo dados de 2015, apenas cerca de 400 mil estão trabalhando. Se separarmos por gênero, cerca de 259 mil são homens e 144 mil, trabalhadoras mulheres. Segundo dados do Ministério da Educação divulgados em 2015, apenas 0,42% dos ingressos em universidades apresentam algum tipo de deficiência. Não encontrei dados sobre pessoas com deficiência em programas de Mestrado ou Doutorado mas afirmo, com a segurança da experiência, que são raros os casos.

Na minha vida profissional, já vivi as várias realidades que existem no mundo dos PCDs: já tive empregos apenas para cumprir cotas, já trabalhei em vagas que exigem menos qualificação que as minhas porque deficiente é, apenas “auxiliar de alguma coisa”, também já tive oportunidades grandes porque não raras as pessoas com deficiência extremamente qualificadas e especializadas em algo…

Falo de um lugar de privilégio, tive oportunidades, criei oportunidades. Me empenhei em estudar e continuo fazendo isso porque, acredito no clichê “conhecimento é poder”. Mas, já parou para pensar naquela moça cega, ou cadeirante, ou surda, que mora em uma micro cidade onde as questões de deficiência são vistas como uma maldição divina e por isso é preciso se resignar e viver da proteção dos outros? Qual as chances de ela trabalhar? Quais as chances que ela tem de se empoderar da sua própria vida? Sejamos sinceras, nenhuma. Ou ela vai morar com família pra sempre ou vai arrumar um marido e viver, apenas, naquele universo fechado.

Portanto, quando você ouvir falar sobre cotas para pessoas com deficiência reflita sobre a importância de se discutir sobre isso e de pensar como, na prática, ela se configura. Mais e mais.  Em todos os lugares. Sob todos os aspectos. Não ache o assunto chato ou tente mudar o tema da conversa. É importante falar sobre isso e dar voz para quem mais entende do assunto: nós, pessoas com deficiência. Dar oportunidade de trabalho para alguém é quase uma salvação de vida. É dar independência. Dignidade. É preciso fazer muito ainda, mas se for possível começar exercitando a empatia, já é um ótimo começo. Todos nós ficamos felizes com novos espaços de fala. É uma questão de humanidade. 

assinatura-mariana-silva


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/mercado-de-trabalho-mulheres-e-deficiencia/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags:

Realização profissional: 4 perguntas para fazer a si mesma

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Todo mundo vivencia a ansiedade do futuro e realização profissional. Afinal, crescemos com aquela frase “O que eu vou ser quando crescer?”. E aí a gente cresce e escolhe um curso e ainda não responde bem esta frase porque dentro de cada curso, há suas especialidades, e diante uma imensidão, precisamos escolher uma. Ou ainda que você não curse o ensino superior, escolher uma profissão, uma carreira a seguir, parece uma escolha ainda mais difícil, não é mesmo? Mas vamos por partes, tudo sempre tem uma solução. Sentir realização profissional muitas vezes é diferente de ter sucesso profissional. Eu entendo que sucesso profissional está muito ligado a parte econômica, reconhecimento, status e prestígio. Tudo isso pode tornar alguém realizado profissionalmente? Claro! Só que para algumas pessoas, não. Isso explica o fato de alguém ser, por exemplo, uma excelente executiva, ter um nome no mercado, ganhando muito bem, mas simplesmente não é feliz. Ela não se sente realizada profissionalmente.

realizacao-profissional-gws

Eu conheci a história de um cara que formou-se em direito e seis meses depois passou em um concurso para ser advogado da União. Talvez esse seja o sonho de muitos estudantes de direito e advogados, porque é isso que os tornaria bem sucedido e realizados profissionalmente. Mas para este cara, não. No relato ele conta que simplesmente era infeliz no exercício daquele cargo. Ele não sentia-se completo. Ele relatava que “tinha medo de morrer sendo advogado da União’’. E por quê? Porque ele poderia ter obtido sucesso profissional, mas não estava REALIZADO PROFISSIONALMENTE. Diante desta situação, ele tornou-se Coaching, um dos maiores do Brasil, e pediu exoneração do cargo. Exemplo como esse nos mostra que realmente nem sempre o sucesso profissional irá nos tornar felizes, realizados em nossa profissão. Independentemente de cargo, ou salário. Portanto, independentemente de possuírmos um curso superior ou não, precisamos escolher BEM por onde queremos ir em nossa vida profissional.

Muitas vezes, precisamos levar em consideração não somente a alta remuneração que a empresa nos oferece, mas principalmente nos responder 4 perguntas:

1- “Eu vou me sentir feliz aqui?”;

2- “A carga horária está de acordo?”;

3- “É nessa função que eu realmente quero atuar?’’;

4- “É dessa pessoa, exercendo essa função, que eu vou ter orgulho de contar futuramente?”.

Às vezes precisamos dar um passo para trás para podermos da dois passos para frente!

E lembre-se: Independentemente da sua situação atual HOJE (com curso superior ou não) a MELHOR profissão é aquela que te deixa feliz. Que te faz esquecer que dia da semana é, e que te deixa bem no domingo ao saber que na segunda, começa mais uma semana de trabalho!

E então, você está realizado profissionalmente? Se não, essa é a hora de rever suas escolhas e projetar um novo futuro.

— ♥ —

assinatura_2017_Marta-Barradas


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/realizacao-profissional-4-perguntas-para-fazer-a-si-mesma/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags:

Autoestima: 5 Dicas para realizar suas metas e melhorar sua rotina

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

Todas nós queremos ser bem-sucedidas. Seja realizando tarefas do dia-a-dia, em um relacionamento, na nossa carreira ou na faculdade. Mas existe um segredo? Será que é possível com pequenas mudanças na nossa rotina, conquistarmos o equilíbrio que buscamos? Segundo neurocientistas americanos de Harvard e Stafford que estudaram o cérebro de pessoas bem-sucedidas e atletas de alta performance, sim. Você precisa basicamente de 5 dicas para realizar suas metas e melhorar sua rotina. O estudo concluiu que seu cérebro é uma máquina que deve ser programada e que ele é responsável por tudo que você consegue, ou não, executar. O que isso tem a ver com autoestima? Tudo! A frustração que sentimos quando não conseguimos realizar tarefas bobas ou não, que designamos para nós mesmas, seja estudar para uma prova, começar a se exercitar ou até mesmo mudar de emprego ou pedir uma promoção, enche a gente de culpa e ansiedade e isso é muito negativo para nossa autoestima. E por quantos anos você está programando seu cérebro com frases como: “Não consigo”, ” Não posso”, “Eu sou preguiçosa”?

Que tal tentar por aí colocar esses exercícios em prática?

1) Escreva seus objetivos

O estudo concluiu que pessoas que conseguem de fato realizar suas metas e suas tarefas de autoestima-e-organizacao-anote-tudo-gwsrotina, escrevem. Isso mesmo. Elas colocam no papel tudo que querem realizar, aonde querem chegar e meios de fazer isso. Segundo o estudo, isso melhora a performance e a chance de você conseguir realizar tudo em 39%.

Mas não é só anotar e deixar de lado. Anote em um lugar que você vai estar sempre olhando, lendo, para o seu cérebro ir gravando e programando esses planos. Eu, mística que sou, digo mais: Pra mim, nada mais é do que jogar para o universo o que você quer e fazer com que as energias trabalhem a seu favor. Uma dica é manter na sua agenda diária (se você tem uma) ou no espelho do banheiro.

2) Medite 

autoestima-e-organizacao-mediteA gente sabe que é muito difícil conseguir limpar a mente, respirar, se concentrar e conseguir de fato, meditar. Segundo os neurocientistas, tudo que precisamos (pra conseguir colocar em prática tudo dessa lista) é hábito e disciplina. Tente todo dia um pouquinho. Mas por que é tão importante meditar? Meditar, nada mais é que se conectar mais com você mesma. Para algumas pessoas, significa rezar e conversar com uma força superior também. É o momento para focar, visualizar seus objetivos e emanar pensamentos positivos. Já rolou um post aqui com 5 apps gratuitos pra relaxar!

3) Socialize

Sabe aquela frase clichê, “Diga-me com quem andas que te direi quem és”? Bom, ela não é um
clichê a toa. Faz sim sentido. Somos diretamente influenciados pelas opiniões e atitudes das pessoas que autoestima-e-organizacao-socializemais convivemos. Obviamente, quanto mais próximos, maior a influência e mesmo sem perceber, começamos a viver uma rotina parecida com eles. Mas você está convivendo com pessoas que você realmente admira? Elas vivem a vida que você quer viver? Não estamos dizendo que seus amigos são influências ruins, mas às vezes não são as pessoas que vão te estimular a dar os passos em direção ao estilo de vida que você busca.

Temos a tendência de acreditar que a maior parte das decisões que tomamos são por vontade própria, mas ao longo da história podemos ver centenas de casos de sucesso onde amigos foram bem sucedidos juntos, um estimulando o outro a crescer e se desenvolver. Você é a média das 5 pessoas com quem passa mais tempo. Pense nisso.

Não, não precisa deixar as pessoas que você ama de lado. Mas procure conviver mais e ter mais contatos com pessoas que você considera bem sucedidas nas áreas que você quer crescer, ou que tenham hábitos que você gostaria de ter. Procure frequentar lugares em que você acha que merece estar.Você vai sentir a sua vida naturalmente caminhando para onde você acredita que deve caminhar.

4) Exercite-se e se alimente bem
Mais um clichê que é inegável. A pesquisa comprovou que pessoas que se exercitam pelo menos 3x na semana, no mínimo 30 minutos se sentem mais confiantes, felizes e autoestima-e-organizacao-exercicio-e-alimentacaodispostas para realizar as tarefas da nossa rotina. Se exercitar faz bem pro corpo e pra mente. Diminui o stress, a ansiedade, ajuda a circulação, diminui o colesterol, fortalece os ossos, aumenta o nível de neurotransmissores, como a noradrenalina, a serotonina e a dopamina, que produzem uma sensação de relaxamento e bem-estar.

O mesmo estudo comprova que hábitos saudáveis são 20% exercícios físicos e 80% alimentação. Precisamos não só “matar a fome”mas nutrir nosso corpo e nossas células. Se alimentar bem é um favor para seu corpo e sua alma. Aproveito o embalo e coloco um trecho do post, Precisamos mudar nossa relação com a alimentação e exercícios físicos“Você pode e deve movimentar seu corpo não importa seu peso, sua estrutura. Você pode e deve saber dos benefícios dos alimentos, não importa seu peso ou tamanho. Saúde não está em um corpo especifico, nem em escolhas extremistas. Saúde é parar de torturar seu corpo e sua mente, não tem nada a ver com privações, nem regras. Saúde é amor, comida é amor. Toda mudança só é real através do amor e autoconhecimento.”

Eu não sou o Drauzio Varella, mas se eu pudesse te dar um conselho aqui seria: Beba água! Eu poderia dizer aqui a importância de criar esse hábito, mas com certeza você já sabe. Não? Então dá uma lida no texto do próprio Drauzio, 5 bons motivos para não deixar de tomar água.

5) Organize-se 

Por último e jamais menos importante na nossa lista de 5 dicas para realizar suas metas e autoestima-e-organizacao-organizacaomelhorar sua rotina está a organização. A falta de organização, de rotina deixa a gente ansiosa e geralmente levamos mais tempo para executar uma tarefa. Existem várias formas de organizar nosso tempo, inclusive, existem até aplicativos para isso, mas a dica infalível é a seguinte: Tente acordar e dormir sempre no mesmo horário, estipule hora e tempo para executar funções e cumpra isso. Exemplo da agenda:

  • 8:00 – acordar
  • 9:00 – tomar café
  • 10:00 -11:00 – academia
  • 12:00 – almoçar
  • 13:00 – 14:00  – responder emails
  • 14:00 – 16:00 – atender clientes
  • 17:00 – lanchar
  • 18:00 – 20:00 – estudar
  • 20:00 – jantar / horário livre
  • 00:00 – dormir

Deu para entender, certo? Ter uma agenda organizada e horários determinados para cada tarefa, otimiza o tempo e ganhamos mais confiança. Tente!

Curtiram as dicas? Espero que ajude vocês no desenvolvimento pessoal e profissional. E se tiverem dicas infalíveis para realizar nossas metas e tarefas, compartilhem nos comentários!

assinatura_2016_nuta-vasconcellos1


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/autoestima-5-dicas-para-realizar-suas-metas-e-melhorar-sua-rotina/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags:

6 dicas para melhorar seu texto para o Google

Por Girls With Style / gws@gwsmag.com

Se você é blogueiro, jornalista ou cria conteúdo na internet deve se perguntar como faz para melhorar seu texto para o Google e já deve ter se deparado com a sigla SEO. Mas o que isso significa? SEO, nada mais é que Search Engine Optimization, ou em bom português, Otimização para Motores de Busca. Se mesmo assim, você não entendeu nada, a gente te explica. Cada vez que uma pessoa faz uma pesquisa nos buscadores – como Google, Bing, etc. -, os mesmos rastreiam em busca do melhor resultado. Quando um site ou blog é otimizado (ou tem um bom SEO), em resumo, o conteúdo deles aparece mais vezes e em posições mais altas para os usuários.

6 dicas para melhorar seu texto para o Google

Listamos seis dicas de ouro para já começar a fazer no seu conteúdo:

1 – Título é tudo

A primeira coisa que o Google lê é o título da sua publicação. Por isso, tenha em mente quais palavras-chave você quer destacar no seu texto e as coloque mais à esquerda do título. Se você vai escrever uma postagem sobre “água da chuva”, tente, ao máximo, colocar esse termo no ínicio do título.

2 – As imagens também são indexáveis

Tem gente que esquece, mas muitas buscas são feitas no Google Imagens. Assim, além do no próprio nome da imagem (foto.jpg), também preencha o campo de “alt text” que aparece na sua plataforma de publicação.

3 – Tudo no primeiro parágrafo

Eu gosto de dizer que o Google não curte muito surpresas. Se ele tiver que ler dois parágrafos para entender qual o assunto do seu post, pode ter certeza que não vai “gostar”. Assim, como em um texto jornalístico fale no primeiro parágrafo sobre seu assunto principal, bem como use as palavras-chave.

4 – Linkbuild

Essa é uma estratégia muito importante para que seu site seja mais conhecido pelo Google. Consiste em troca de link entre seu site e outros sites da internet. Você pode e deve colocar links para outros sites que achar relevante às suas postagens. Mas isso tem que ser feito de maneira natural, o outro site curtiu sua postagem e fez um link para você. Caso contrário, o Google pode te penalizar se perceber que você está fazer um troca combinada.

5 – Conteúdo recorrente

Se você fala sempre de um assunto, o Google vai começar a entender que esse tópico é importante no seu blog/site. Com isso, ele vai aumentar sua relevância sobre esses temas, se você fala bastante de games, você vai começar a ter relevância nesse assunto, por exemplo.

6 – URL amigável

Sabia que em muitos dos casos, pode-se criar um título X e um URL Y? Você criou um título bacana para otimizar e ainda dar um charme editorial, mas na hora de ver a URL, ela não ficou o que você queria. Dessa maneira, você pode colocar só palavras-chave.

Exemplo:
Ruim – www.amanhaeuteconto.com.br/arquivo/x33874
Melhor seria ter o título da matéria ou tema na URL:
www.amanhaeuteconto.com.br/6-dicas-rachel-zoe-vida-profissional/

Essas são dicas básicas para você começar a melhorar seu conteúdo para o Google! Quer saber mais? Tem dúvidas? Quer colocar em prática? Vai rolar curso de SEO – Otimização no resultado de busca no Espaço Criativo GWS!  Inscrições e mais informações: aqui!seo-otimizacao-capa

— ♥ —

assinatura_2017_livia-jacome


Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/comments?id=http://www.gwsmag.com/6-dicas-para-melhorar-seu-texto-para-o-google/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/archive.php on line 63
Comentar

Tags: