Uma reflexão sobre o passado, o presente e o futuro da realidade da mulher na sociedade.

Por Nuta Vasconcellos / nuta@gwsmag.com

GWS-Sthefany-de-barros-mulheres

The Future is female

Hoje é dia internacional da mulher. Pessoalmente, sempre achei importante falar sobre hoje e a data nunca passa batida aqui no GWS. Já teve post por aqui explicando porque a gente não precisa de flores e sim de respeito e ano passado, falei sobre a importância de valorizar o trabalho feito por mulheres com o movimento #IndiqueMulheres que felizmente, acabou inspirando até página no facebook. Fora do GWS, eu também escrevi sobre o tema, quando era colaboradora da Honey Pie, no post Dia internacional da mulher: O que isso realmente significa? 

Sim, o dia de hoje já foi tema diversas vezes e hoje, será mais uma vez. Eu estava pensando sobre tudo que nós mulheres já passamos e o que realmente mudou. Triste é perceber que pode até parecer que foi muita coisa, mas na real, nem foi. Tem muita coisa que funciona exatamente como no tempo da sua avó e só está mascarada. Eu listei 3 coisas da nossa realidade que analisando passado e o presente, nem são tão diferentes assim. Bora tentar fazer um futuro melhor?

GWS-Stefany-de-barros-Marie-GWS-1

Next stop: ♀

1. Mulheres e o trabalho

Renderia um post inteiro, ou até mesmo dois, falar sobre a realidade de trabalho da mulher, mas vamos tentar resumir. Antes de realmente abrir o tópico, queria fazer um desabafo sobre as pessoas que insistem em dizer que hoje em dia, mulheres e homens estão no mesmo patamar quando o assunto é mercado de trabalho. Por favor, se informem mais. Na verdade, observem mais.

Hoje em dia podemos trabalhar? Podemos! Todas as mulheres do mundo? Não. Em alguns países as mulheres ainda não podem trabalhar e em várias profissões, mesmo que de forma velada, nós não somos bem-vindas (ou mais triste ainda, bem vistas). Estamos em todas as carreiras possíveis? Estamos… Mas em que número? É proporcional aos homens na mesma carreira? Você sabe que a resposta é não. O problema é claro, começa na educação. Somente em 1827, surgiu a primeira lei sobre educação das mulheres, permitindo que freqüentássemos as escolas elementares, as instituições de ensino mais adiantado ainda eram proibidas. Mulheres brancas, claro. As negras, nem isso podiam. E somente em 1879  nós começamos a poder frequentar ensino superior. Mas as mulheres que assim escolhiam, não eram bem vistas.

Só nos anos 40 algumas poucas, pouquíssimas mulheres começaram a trabalhar e no Brasil, só em 1962 (MIL NOVECENTOS E SESSENTA E DOIS), foi criado o estatuto da Mulher casada, que garantiu entre outras coisas que a mulher não precisava mais de autorização do marido para trabalhar. Para você ter ideia de quanto isso é recente, uma pessoa que nasceu em 1962, hoje tem somente 55 anos. Como isso reflete no nosso presente? Vou explicar de forma simples: Vamos supor que a sua amiga começou a pegar pesado na academia. Ela malha todo dia, está cada vez mais preocupada e informada sobre nutrição e o resultado já é visível no corpo dela. Você, nunca malhou e nem nunca se informou sobre nutrição, mas depois de ver os resultados da sua amiga, um ano depois que ela começou, você se empolga também. Quanto tempo você vai levar pra ter o conhecimento, a disposição, o corpo e para pegar o mesmo peso que ela?  Vai demorar. Se você não tiver tempo, acesso ao conhecimento e oportunidades como ela, talvez, nunca.

O mercado de trabalho para homens e mulheres, explicado toscamente é mais ou menos assim. Eles tiveram acesso a educação primeiro, ao mercado de trabalho primeiro e ganharam notoriedade primeiro por puro privilégio e nós sentimos essas consequências até hoje. Segundo dados do IBGE de 2000, a PEA (População Economicamente Ativa) brasileira, em 2001, tinha uma média de escolaridade de 6,1 anos, sendo que a escolaridade média das mulheres era de 7,3 anos e a dos homens de 6,3 anos. Independente do gênero, a pessoa com maior nível de escolaridade têm mais chances e oportunidades de inclusão no mercado de trabalho. Mas se mais homens tem acesso, menos mulheres estão no mercado. Hoje, em 2017, existe uma significativa melhora entre as diferenças salariais quando comparadas ao sexo masculino. Mas ainda não foram superadas as dificuldades encontradas pelas trabalhadoras no acesso a cargos de chefia e de equiparação salarial com homens que ocupam os mesmos cargos.

E o que as mulheres fazem? 80% delas são professoras, cabeleireiras, manicures, funcionárias públicas ou trabalham em serviços de saúde. Mas a maioria de mulheres trabalhadoras estão no serviço doméstico remunerado. Na maioria, mulheres negras, com baixo nível de escolaridade e com os menores rendimentos na sociedade brasileira.

O que eu quero dizer com isso? Nossa realidade de trabalho, não a sua, ou a minha pessoalmente, a realidade de NÓS, MULHERES ainda está longe de ser a ideal. Outro grande problema que a mulher enfrenta é que nós ganhamos o “aval” para trabalhar, mas a maioria de nós ainda é 100% responsável pelo lar e filhos. Os homens precisam entender a importância de também serem responsáveis por isso. Falamos um pouco disso no vídeo com a Marília Lamas. Pra entender um pouco mais sobre essa diferença enorme entre mulheres e homens quando o assunto é horas de trabalho em casa e fora de casa, vale ler essa matéria da FOLHA. E para entender um pouco mais sobre como é difícil crescer na carreira sendo mãe, leia essa da revista Crescer.

O que podemos fazer para mudar nosso futuro? Contrate mulheres, estimule suas amigas a estudarem, se formarem, divulgue o trabalho de mulheres. Ajude a divulgar a ideia que a mulher pode ser o que ela quiser. Presidente, engenheira, publicitária, advogada. Se você tem um cargo de relevância, fale por nós, lute por nós. Esses dados não são uma crítica às mulheres que ESCOLHEM ser donas de casa. É um alerta para entender que nem sempre é uma escolha, às vezes é porque ela não vê outra saída e nós temos o direito de sermos realizadas em todos os campos. Sendo escolha dela ou não cuidar da casa, nunca, deve ser uma tarefa exclusiva dela. Ajude a criar e a conscientizar homens que saibam cuidar de casa e que sejam independentes e que não julguem a capacidade corporativa de uma mulher, pela maternidade.

GWS-Stefany-de-Barros-Rafaela

Ovaries before brovaries

2. A obrigação de ser linda

Eu realmente acredito que esse é um dos problemas mais graves para a realidade da mulher. No passado, no presente e infelizmente, no futuro.  Já quero começar esse post dizendo que você pode e deve ter a liberdade de emagrecer, engordar, malhar, não malhar, fazer tratamento estético, não fazer, depilar… Mas todas essas questões devem ser ESCOLHAS. E por mais que pareçam que são, a maioria delas não é.

Nós sofremos uma pressão estética absurda e mais uma vez, cito um post muito importante que já rolou aqui no GWS: É sobre depilação mesmo que estamos falando? O problemático na questão da beleza da mulher é o TEM QUE SER. Nessa obrigação de ser linda, nós acabamos caindo em tantas armadilhas que não percebemos… Essa obrigação de ser linda que sentimos todas as vezes que vemos uma atriz, uma capa de revista ou ouvimos da nossa mãe que temos que fazer as unhas, é um soco na nossa autoestima. Mulheres sem autoestima correm menos atrás do que querem, acreditam que não estão prontas para realizarem seus sonhos ou até para fazerem coisas simples, como irem a praia. Uma mulher que é cobrada pela sociedade para ser linda e acha que não corresponde, é uma mulher infeliz. Eu falei sobre isso nesse post aqui.

Em 1952, o mundo viu nascer o Miss Universo. Um concurso aonde mulheres competem para se tornarem: A mulher mais bonita do mundo. Em 1971, existia um concurso em Portugal chamado “A mulher ideal” que além de ser linda, tinha que saber cozinhar e costurar. Os concursos mais importantes e valorizados desde então quando o assunto é mulher são os concursos de beleza e se apresentam das mais diversas formas. Além do próprio miss universo que existe até hoje, temos os concursos de modelos, para várias classes sociais, como a Garota da Laje. A cobrança da beleza está enraizada na nossa cultura.

Isso me faz lembrar uma citação de Naomi Wolf: “Uma cultura focada na magreza feminina não revela uma obsessão com a beleza feminina. É uma obsessão sobre a obediência feminina. Fazer dietas é o sedativo político mais potente na história das mulheres; uma população passivamente insana pode ser controlada”.  E isso faz muito, muito sentido. Não só em relação a magreza, mas na beleza em geral.

Você pode ser o que quiser. Por dentro e por fora. Mas vamos tentar fazer nosso futuro diferente? Não vamos mais nos permitir adoecer em nome da beleza, deixar de correr atrás do que acreditamos porque não nos achamos merecedoras, nem depilar ou não depilar porque alguém te disse o que é esteticamente certo. Vamos lutar pela liberdade REAL da nossa imagem.

GWS-Stefany-de-Barros-Bella-Castro-1 2

You own your body

3. Sexualidade

A repressão sexual da mulher existe desde que o mundo é mundo. Às vezes disfarçada de histórias santas, outras como “opinião” e muitas vezes, muitas, muitas como regras escancaradas. A repressão é tão grande, que não prejudica só a saúde sexual das mulheres, mas a forma que vivemos em sociedade, nossa estrutura familiar e claro, nossa autoestima.

Na história bíblica do começo do mundo, foi Eva, uma mulher que por conta de seus desejos carnais, tirou toda a humanidade do paraíso. Ou seja, se ela tivesse ficado lá, na dela, rezando, nada de ruim do mundo teria acontecido. Adão é completamente isento de qualquer responsabilidade. Ele foi uma vítima de uma mulher que estava pedindo. Ainda na bíblia, temos virgem Maria, que antes de ser conhecida por seu nome é conhecida como virgem. Mesmo sendo casada, mesmo Jesus tendo irmãos. Aliás mesmo a história dessa mulher sendo fantástica, nada parece ser mais importante do que ela ser casta.

Para ser classificada como puta, era fácil. Nos anos 20, mulher que dirigia, era puta. Nos anos 30, as que queriam ser atrizes? Também. Nos anos 60, mãe solteira era puta. Mas pensando bem, hoje em dia, também é fácil ser puta, né? Tá de short curto na rua: Calor? Moda? Se sente linda assim? Não, não. É puta. Postou selfie sensual? Vixiii, putíssima.

Ao longo da nossa história sempre ficou muito claro que a mulher para sociedade só pode ser duas coisas: Santa ou puta. Pra casar ou pra comer. Ignoraram completamente que somos seres sexuais, com vontades e desejos próprios, exatamente como os homens. O que é mais grave nisso tudo? Se somos mulheres e para a nossa sociedade só podemos ser duas coisas, estamos vulneráveis a todo tipo de violência. Foi estuprada? Tava pedindo. Engravidou? Quem mandou transar…. teve vídeo vazado na internet? Foi fazer vídeo pra que né, puta?

Assim como lááá no tempo de Adão e Eva, o homem é isentado de qualquer classificação.

Ser santa também não é fácil. A mulher que se sente cobrada a ter um certo comportamento, seja por uma criação rígida ou por um marido que ameaça até matar por causa do tamanho do seu decote, é uma mulher que vive reprimida e com medo. Não somos putas nem santas. Somos indivíduos com história, com momentos, com desejos.

Mas como mudar o nosso futuro?  Abrace a mulher que você é e se livre de rótulos e livre as outras mulheres também. Eduque os homens a sua volta. Seu pai, seus filhos, seus amigos. Parece óbvio, mas pra muito homem ainda não caiu a ficha da gravidade dessa prisão sexual da mulher.

Eu escolhi 3 temas, mas a lista poderia crescer infinitamente… Somos mulheres. Filhas, netas das mulheres do passado. Somos o presente. E precisamos criar mulheres fortes, precisamos ser fortes e fazer um futuro diferente. Somos muitas, somos sobreviventes, somos guerreiras. Não deixe nada, nem ninguém, fazer com que você se sinta diferente disso.

Feliz dia das mulheres.

 

As fotos são exclusivas do GWS e foram feitas pela Sthefany de Barros, instagram: @stefanybs

Styling e make: Bella Castro, instagram: @bellarlcastro

assinatura_2016_nuta-vasconcellos1

Tags:


1 + 1 =



Warning: file_get_contents(https://graph.facebook.com/?id=http://www.gwsmag.com/uma-reflexao-sobre-o-passado-o-presente-e-o-futuro-da-realidade-da-mulher-na-sociedade/&summary=1): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/gwsmag/www/wp-content/themes/gws/comments.php on line 60

0 Comentários